Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Fluxogramas dos Processos Mapeados > DIPES > DIPES > Oficinas Deliberativas sobre Pluralismo Religioso e Relações Étnico-Raciais
Início do conteúdo da página

Oficinas Deliberativas sobre Pluralismo Religioso e Relações Étnico-Raciais

Publicado: Quinta, 19 de Novembro de 2020, 13h21 | Última atualização em Quinta, 19 de Novembro de 2020, 13h21 | Acessos: 1620

Pesquisa:
Oficinas Deliberativas sobre Pluralismo Religioso e Relações Étnico-Raciais

Responsável pelo projeto/atividade:
Coordenadores
Joanildo Burity- Lattes
Janssen Felipe da Silva (UFPE) -Lattes

Equipe envolvida no projeto/atividade:
Joanildo Burity, Rosalira Santos, Emanuela Catunda (Pibic) – Fundaj; Gustavo Gilson Oliveira – UFPE; Alexandre Fonseca – UFRJ; Manoel Moraes Jr. – UEPA; Ronaldo Laurentino de Sales Jr. – UFCG; Alberto Moreira – PUC-GO; Carlos André Cavalcanti – UFPB

Parcerias:
UFPE; UEPA; UFCG; Faculdades EST (RS); UFRGS

Breve descrição:
Este projeto complementa outro realizado em 2014 pela Fundaj, a Secretaria Geral da Presidência e a então Secretaria Nacional de Direitos Humanos, em três regiões brasileiras, ampliando-o para as regiões Norte e Sul, a fim de promover o diálogo entre representantes de diferentes confissões religiosas e pessoas sem religião, atuantes em movimentos e organizações sociais e em políticas públicas, que têm interesse em debater o tema da diversidade religiosa, a fim de se promover maior envolvimento deste segmento em processos de participação social nos sistemas nacionais setoriais de educação, cultura e direitos humanos.

O projeto envolverá atividades de pesquisa, divulgação científica e difusão cultural, com utilização da metodologia de oficinas deliberativas, a partir do seguinte diagnóstico:
(a) há uma crescente sensibilidade em escala global e local para a temática dos direitos humanos e a maneira como através dela se materializam indicadores de desenvolvimento humano, garantia e ampliação da cidadania e aprofundamento da democratização;
(b) as últimas décadas vêm assistindo a uma evidente efervescência cívica e política atual no campo das religiões, oriunda tanto de um histórico secular relativo ao catolicismo quanto de uma crescente pluralização daquele campo, trazendo à cena pública velhas e novas minorias religiosas;
(c) no mesmo período têm emergido demandas por reconhecimento, participação e representação de setores historicamente marginalizados ou injustiçados, várias das quais se chocam com situações de desigualdade, exclusão e negação de direitos na sociedade brasileira.

Objetivo geral:
Estimular o diálogo entre representantes de diferentes tradições religiosas sobre direitos humanos e a convivência inter-religiosa no Brasil;

Objetivo Específicos:
Realizar oficinas deliberativas com representantes de diferentes tradições religiosas, sociedade civil, academia e setor público;
Articular uma rede de atores e organizações do campo religioso e acadêmico visando a estabelecer uma agenda de promoção dos direitos humanos no estado e na sociedade e de implementação de políticas públicas de educação para a promoção do respeito ao pluralismo religioso no contexto de uma sociedade democrática;

Produzir dados, reflexão e conhecimentos sobre as percepções e práticas dos diferentes atores e atrizes envolvidos.

Comparar e analisar os dados extraídos anteriormente (oficinas realizadas nas regiões Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste) com os dados a serem coletados das regiões Norte e Sul.

Justificativa:
A legislação sobre a separação entre religiões e estado, o ensino religioso e a inclusão curricular da herança cultural e religiosa africana e afro-brasileira coloca, para a agenda da educação, não apenas a questão do reconhecimento da pluralidade religiosa e étnico-racial constitutivas da sociedade e cultura nacionais, mas também a questão de como lidar com as tensões e disputas de que se cerca este reconhecimento.

A premência dos desafios das desigualdades (raça-etnia, gênero e classe) e das diversas formas de exclusão, a ativa presença e mobilização religiosa e um cenário de afirmação de grupos sociais historicamente subalternizados, somam-se ao posicionamento estatal de comprometer-se com a agenda afirmativa dos direitos humanos.

Público-alvo:
Acadêmico; gestores públicos das áreas de educação, cultura e direitos humanos em nível nacional; organizações não-governamentais atuantes da promoção da igualdade étnico-racial e da liberdade religiosa e convivência interreligiosa; movimentos ecumênicos e interreligiosos; igrejas, terreiros, centros espíritas, etc.

Abrangência:
Nacional

 

 

 

registrado em: ,,
Fim do conteúdo da página

Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o fundaj.gov.br, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de privacidade. Se você concorda, clique em ACEITO.