Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Educação Contextualizada > Campo de concentração do Patu: escravidão, fome e morte no Brasil
Início do conteúdo da página

Campo de concentração do Patu: escravidão, fome e morte no Brasil

Publicado: Quarta, 03 de Fevereiro de 2021, 16h29 | Última atualização em Quarta, 03 de Fevereiro de 2021, 16h29 | Acessos: 231

https://observatorio3setor.org.br/noticias/campo-de-concentracao-do-patu-escravidao-fome-e-morte-no-brasil/?fbclid=IwAR2JLzJRQbKjk3XHwD5qVF04p5YX1wdx9MWcA2QfWaLBYTY5O312qAE0kLs

MARIA FERNANDA GARCIA

25/07/2019Poucos brasileiros conhecem a história do sítio arquitetônico do “Campo de Concentração do Patu”, no Ceará. Tombado patrimônio histórico-cultural da cidade de Senador Pompeu, recentemente, o local foi palco de muito sofrimento no passado.

O Campo de Concentração do Patu, como ficou conhecido, servia para confinar milhares de pessoas que fugiam da seca no interior do Ceará.

O objetivo era evitar que os retirantes chegassem a outras cidades, principalmente Fortaleza, capital cearense. Oficialmente, 16.221 pessoas ficaram concentradas no local, sob alegação de que estariam sob a proteção do governo.

De acordo com historiadores, lá elas eram expostas a uma série de sofrimentos e privações. Muitas delas morreram de inanição e de doenças, como tifo.

Os retirantes também seriam explorados como mão de obra escrava, trabalhando de forma forçada em obras públicas.

história dos campos de concentração no Ceará origina-se em processos vividos na seca de 1877, quando um ciclo intenso de estiagem motivou grandes deslocamentos de retirantes do interior do estado para Fortaleza.

Em 1915, temendo que a situação de 1877 se repetisse, o governador da época, coronel Benjamin Liberato Barroso, criou o primeiro campo de concentração do Ceará, em Fortaleza, no chamado Alagadiço, atualmente bairro de São Gerardo. Com o fim da estiagem, em 1916, o campo foi desfeito.

Em 1932, mais uma vez a seca foi intensa e novos campos de concentração surgiram para confinar os retirantes, não só em Fortaleza, mas em outras cinco cidades também: Crato, Senador Pompeu, Quixeramobim, Cariús e Ipu. Ao todo, eram sete campos de concentração, sendo dois deles em Fortaleza.

O isolamento das pessoas de baixa renda dos grandes centros urbanos não era o único propósito dos campos. Na época, a ideia do darwinismo social era popular e ajudava a justificar iniciativas como essas. De acordo essa teoria, algumas sociedades seriam superiores às outras. Esse conceito motivou as ideias de eugenia, racismo, fascismo e nazismo.  Os campos de concentração brasileiros foram criados quase meio século antes dos nazistas, que tiveram os primeiros campos em 1933.

Os campos de concentração do Ceará foram desativados em 1933. O número de mortos nunca foi oficialmente contabilizado.

Fontes: History e G1

Fim do conteúdo da página

Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o fundaj.gov.br, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de privacidade. Se você concorda, clique em ACEITO.