Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

14 DE MAIO DE 2014

Publicado: Quinta, 22 de Mai de 2014, 09h56 | Última atualização em Quinta, 20 de Dezembro de 2018, 21h23 | Acessos: 919

Clipagem ASCOM
Recife, 14 de maio de 2014

 

:: Jornal do Commercio

Caderno C

Rápida

As transformações de Cidade de Deus

Com sessão hoje, às 20h30, no Cinema da Fundação, o documentário Cidade de Deus: 10 anos (foto) narra o que aconteceu com o elenco que atuou no filme Cidade de Deus (2002), de Fernando Meirelles & Kátia Lund, uma década após seu lançamento a obra também foi um dos destaques do Oscar em 2004, concorrendo em quatro categorias. O longa-metragem detalha as transformações proporcionadas pela participação no filme na vida de cada um dos atores. Cavi Borges, que dirigiu o documentário, participa de uma conversa após a exibição.

 

Dia a Dia

Colunas

Filial da Fundaj

Até dezembro, o Cinema da Fundação abre filial em Casa Forte. As obras estão bem no início e os equipamentos ainda não foram licitados, mas a idéia é seguir a mesma linha do Derby: filmes fora do circuitão e os premiados em festivais internacionais de cinema de arte.

 

Caderno C

Cinema

Hoje eu quero voltar sozinho (BRA, 2014) – De Daniel Ribeiro. Com Guilherme Lobo, Tess Amorim. Cinema da Fundação – 16h50.

O menino e o mundo (BRA, 2014) – De Ale Abreu. Com Emicida, Vinicius Garcia. Cinema da Fundação – 18h50. Animação. Livre.

Um estranho no lago (L’inconnu Du lac, FRA, 2013) – De Alain Guiraudie. Com Pierre Deladonchamps, Christophe Paou. Cinema da Fundação – 20h30. Drama. 16 anos.

 

:: Folha de Pernambuco

Programa

Dez anos de efeitos do “Cidade de Deus”

Filme tem sessão às 20h30 na Fundaj com presença do diretor

Em fevereiro de 2012, a Folha de Pernambuco divulgou em primeira mão o audacioso projeto que Cavi Borges, o jovem e mais prolífero produtor e diretor carioca, começava a desenvolver. Era "Cidade de Deus: 10 Anos Depois", documentário que preparava com Luciano Vidigal sobre não apenas o atual paradeiro dos atores que participaram do famigerado filme de Fernando Meirelles, mas também sobre o efeito que seu sucesso promoveu em suas vidas. Hoje o filme será exibido em sessão especial no Cinema da Fundação Joaquim Nabuco, às 20h30, com a presença de Cavi para um bate-papo com o público. Por razões diversas, "CdD 10 anos", como ficou conhecido o projeto, não pôde ser finalizado em 2012. Mas em setembro de 2013 Cavi e Luciano apresentaram o documentário no Festival do Rio e desde então o trabalho começou a circular nos festivais do Brasil (Mostra de SP, Mostra de Tiradentes) e principalmente no exterior. "Em Tiradentes, nosso filme passou na praça e a produção do evento celebrou dizendo que a sessão teve o maior público na história da mostra. De lá saímos com o prêmio do júri popular", recorda Cavi. "Mostramos também o filme a Meirelles, numa sessão exclusiva num cineminha dentro da própria O2 [sua produtora]. Foi parecido com o que ele fez com [José] Saramago, ao mostrar o flime 'Ensaio sobre A Cegueira'. Ele disse que gostou, se estava sendo só educado aí eu não sei", brinca Cavi. Desde o início do projeto, o realizador entendia que "CdD 10 anos" naturalmente ganharia o interesse de outros países, pelo sucesso da obra original que lhe deu origem. De fato, após ser exibido num festival em Miami [EUA], o documentário tem sido convidado para constar no mundo inteiro. "Agora mesmo [anteontem, à noite], o filme está sendo exibido em Londres", destaca. "E temos agenda em Nova Iorque, Paris, Beijing [Pequim], Xangai e outros lugares que nem imaginávamos chegar", comemora lembrando que há o interesse também de tevês, como a BBC britânica. Sobre o resultado do trabalho, o cineasta explica que buscou desmistificar algumas crenças "Algumas pessoas acham que os atores e técnicos do 'Cidade de Deus' se deram todos bem depois do filme. Muitos deles ainda passam dificuldades, não puderam aproveitar a fama. Tem gente que deve dinheiro e é até jurado de morte. A ideia era também mostrar este outro lado. O lado difícil dessas pessoas”, adianta.

“Cavincansável”: diretor, produtor e distribuidor

Desde que criou em 1997 a CaVídeo no Rio de Janeiro, Carlos Vinícius Borges, ou simplesmente Cavi Borges, não imaginava que ali viria a se tornar o principal ponto de referência carioca para a produção cinematográfica independente. O espaço passou a concentrar toda sorte de interessados em cinema até que o próprio Cavi resolver investir não apenas em suas próprias produções, mas também na dos amigos, ou mesmo de desconhecidos que simplesmente apareciam para pedir ajuda. Em nove anos produzindo, Cavi já se envolveu em mais de 80 projetos. E não para. "Agora mesmo a gente trabalha na produção de seis longas. Entre eles, "Faroeste", de Abelardo de Carvalho; "Dois Casamentos", do veterano Luiz Rosemberg Filho; e "Rio em Chamas", um coletivo feito por 11 cineastas cariocas - incluindo Daniel Caetano, Felipe Bragança (em resposta ao projeto internacional "Rio, Eu Te Amo"). "Cada um deles fará um curta de cinco minutos marcando terreno sobre esse momento tenso que vivemos no Rio", adianta o produtor. Empreendedor que é, Cavi embrenhou-se agora numa nova empreitada. A da distribuição de filmes para cinema, quando criou a empresa "Filmes Livres". "Próximo dia 29 vamos lançar o documentário 'Setenta', de Emília Silveira", conta. E sobre o filme que revisita presos políticos brasileiros que foram enviados ao Chile nos anos 1970, Cavi faz questão de finalizar com orgulho: "Ele saiu vencedor do Festival Aruanda, agora em dezembro, na Paraíba".

 

Guia Folha

Roteirão

Cinema

O Menino e o Mundo / De Ale Abreu / Com Nana Vasconcelos, Emicida, Vinicius Garcia e Melissa Garcia. Partindo do mote de um pai que abandona a família no campo para trabalhar num lugar distante, o filme trabalha de forma lúcida as dicotomias cidade/campo, privação/prosperidade e progresso/qualidade de vida. Cinema da Fundação: 18h50. Livre.

Hoje eu Quero Voltar Sozinha /De Daniel Ribeiro / Com Guilherme Lobo, Fábio Audi, Leonardo é um adolescente cego que tenta lidar com a mãe super protetora ao mesmo tempo em que busca sua independência. Quando Gabriel chega à cidade, novos sentimentos começam a surgirem Leonardo, fazendo com que ele descubra mais sobre si mesmo e sua sexualidade. Cinema da Fundação: 16h50.

Cidade de Deus: 10 Anos Depois / De Cavi Borges e Luciano Vidigal. O documentário investiga o destino dos atores que participaram do premiado filme dirigido por Fernando Meirelles e Kátia Lund. Este documentário mostra os diferentes resultados, fruto do sucesso mundial do filme Cidade de Deus, na vida de cada um deles. Será que os atores estavam preparados para o sucesso do filme? Será que a condição social de alguns deles foi mais forte do que a oportunidade que tiveram? Cinema da Fundação: 20h30. Livre.

 

:: Diário de Pernambuco

Viver

Cinema

O menino e o mundo – Após a separação dos pais, garoto sai da casa de campo onde mora para descobrir a cidade. L. Cinema da Fundação. 18h50.

Um estranho no lago – Num lago onde vários homossexuais se encontram, homem se apaixona por um desconhecido misterioso. 16 anos. Cinema da Fundação. 16h40.

Hoje eu quero voltar sozinho – Menino cego descobre o primeiro amor num colega de turma. 12 anos. Cinema da Fundação. 16h50

 

:: Cultura e Mercado – SP

Últimas Notícias

Fundação Joaquim Nabuco seleciona roteiros

Estão abertas até o dia 30 de maio as inscrições para a 10ª edição do Concurso de Roteiros Rucker Vieira, promovido pela Fundação Joaquim Nabuco, dedicada à promoção de atividades científicas e culturais com vistas à compreensão da sociedade brasileira.
Serão selecionados dois projetos de documentários em curta-metragem (duração máxima de 26 minutos), que receberão, cada um, um prêmio no valor de R$ 80 mil. A inscrição é gratuita e o proponente pode ser pessoa física ou jurídica residente em qualquer parte do Brasil.
Para estimular a criação de produções audiovisuais que discutam a importância da cultura negra na formação da sociedade brasileira, o eixo temático desta edição do concurso é “Africantos: histórias e memórias do povo afro-brasileiro”.
Pessoas físicas devem comprovar residência no país há, pelo menos, dois anos, e pessoas jurídicas devem comprovar funcionamento no país pelo mesmo período. Os contemplados terão um ano para executar o projeto, que será exibido pela TV Brasil.

Fim do conteúdo da página