Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Conselho Nacional da Reserva da Biosfera da Caatinga > Um bom filho a casa torna: Ararinhas-azuis voltam para a Caatinga após 20 anos
Início do conteúdo da página

Um bom filho a casa torna: Ararinhas-azuis voltam para a Caatinga após 20 anos

Publicado: Quinta, 04 de Março de 2021, 17h03 | Última atualização em Quinta, 04 de Março de 2021, 17h03 | Acessos: 200

https://www.acaatinga.org.br/um-bom-filho-a-casa-torna-ararinhas-azuis-voltam-para-a-caatinga-apos-20-anos/

09/03/2020
Resultado de imagem para Um bom filho a casa torna: Ararinhas-azuis voltam para a Caatinga após 20 anos.
A última ararinha-azul (Cyanopsitta spixii) desapareceu da natureza em outubro de 2000. Desde então, pesquisadores e organizações internacionais desenvolvem esforços para devolver esta ave ao seu habitat natural. E o dia três de março foi um marco dessa luta: após duas décadas, 52 ararinhas-azuis retornaram para a caatinga.

Ao total, 28 fêmeas e 24 machos que estavam na Alemanha desembarcaram às 13h no Aeroporto Senador Nilo Coelho em Petrolina, Pernambuco. Após o pouso, as espécimes seguiram para o Centro de Reprodução e Reintrodução das Ararinhas-Azuis em Curaçá, Bahia. O imóvel possui 2.400 m² equipados com dois viveiros, laboratório, alojamento e escritório. As aves permanecerão no Centro até 2021, data da primeira soltura. Durante esse tempo, os animais passarão por técnicas de adaptação e treinamento para viverem na natureza.

As ararinhas-azuis serão reincorporadas em duas Unidades de Conservação, o Refúgio de Vida Silvestre da Ararinha-Azul (29,2 mil hectares) e a Área de Proteção Ambiental da Ararinha-Azul (90,6 mil hectares). Ambas as áreas foram criadas em junho de 2018 com o propósito de abrigar as espécies.

O projeto de repatriação das ararinhas-azuis é uma ação desenvolvida pela associação alemã ACTP (Association for the Conservation of Threatend Parrots) em parceria com o ICMBIO (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade).

Breve histórico sobre a ararinha-azul

  1. A espécie é catalogada e capturada pelo alemão Johann Baptist von Spix (1781-1826) em Juazeiro, Bahia. O naturalista viaja ao Brasil para descrever a fauna e flora do “novo mundo”. Ao final da expedição, Spix volta para a Europa com cerca de 9.000 espécies de plantas e animais. O nome científico da ararinha-azul é escolhido em sua homenagem.
  1. O herpetólogo alemão Johann Georg, assistente do naturalista Spix, escreve o livro Monographia Psittacorum, onde a ararinha-azul é descrita. O nome científico da ave é escolhido em homenagem ao seu chefe, já falecido. Cyanopsitta spixii significa “ararinha-azul-de-Spix”.
  1. A área de ocorrência da espécie é desconhecida, mas isso muda quando Paul Roth encontra as três últimas ararinhas-azuis em riachos de Curaçá.
  1. A última ararinha-azul remanescente na natureza é encontrada por Carlos Yamashita e Tony Juniper, trata-se de um macho. Inicia-se um projeto para localizar outros indivíduos e reintroduzir a espécie em seu habitat natural através da reintrodução dos exemplares mantidos em cativeiro. O IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) cria o Comitê Permanente para a Recuperação da Ararinha-Azul.
  1. Cientistas reintroduzem na natureza uma fêmea de ararinha-azul criada em cativeiro com o intuito de propiciar o acasalamento entre a espécime e o último macho selvagem. Mas, após um mês, a fêmea desaparece. Quatro anos depois, um morador da região de Caruçá afirma a ter encontrado falecida sob uma linha de alta tensão. A equipe de campo vasculha o local indicado, mas não encontra vestígios.
  1. O jornalista Francisco Pontual lança “O Sobrevivente Solitário”, um documentário sobre a última ararinha-azul selvagem.
  1. A última ararinha-azul selvagem, encontrada em 1990, morre e a espécie é considerada extinta da natureza.
  1. O cineasta Carlos Saldanha dirige a animação “Rio”. O filme conta a história de Blu, uma ararinha-azul macho que é levada ao Rio de Janeiro para acasalar com uma fêmea.
  1. No dia 18 de junho, moradores de Caruça gravam uma ararinha-azul solta na natureza. Após o registro, pesquisadores realizam patrulhas em busca da ave, mas a espécime não é encontrada. Acredita-se que o exemplar fugiu ou foi solto de algum cativeiro ilegal da região.
  1. Não resta nenhuma ararinha-azul na natureza, mas existem 166 espécimes em cativeiro. Treze no Brasil, 147 na Alemanha, quatro na Bélgica e dois em Cingapura.

Causas da extinção

A caça, o comércio ilegal e o desmatamento foram as principais causas para a extinção das ararinhas-azuis. Dependente das matas às margens do Rio São Francisco, essa aves viram, pouco a pouco, seu habitat natural ser destruído para dar lugar à pastagens de gado. Já no século 17, colonos europeus começavam o processo de conversão da floresta em área agrícola. Hipóteses apontam que a construção da barragem de Sobradinho, iniciada em 1971, também agravou a já precária situação do animal.

Aliada ao desmatamento e às mudanças geográficas, a caça foi um fator decisivo para a extinção da ararinha-azul. A beleza da ave chamava, e ainda chama, a atenção de traficantes internacionais. Desde a década de 1920 existem relatos da captura ilegal da ave.

Características 

A ararinha-azul mede, em média, 57 centímetros de comprimento e possui penas azuis com tons claros ao longo do corpo. Sua dieta em natureza consistia principalmente em sementes de faveleira e pinhão-bravo. A época reprodutiva estava associada ao período chuvoso da Caatinga. Já a nidificação (construção do ninho) era realizada em ocos e buracos de árvores, principalmente de caraibeiras (Tabebuia aurea), espécie de planta que há séculos era abundante nas matas ciliares do Rio São Francisco.

Fim do conteúdo da página

Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o fundaj.gov.br, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de privacidade. Se você concorda, clique em ACEITO.