Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Banco de dados da DIPES > Armadilha de Pobreza e Mobilidade Intergeracional no Brasil Metropolitano: Um Estudo das Décadas de 1980 a 2000.
Início do conteúdo da página

Armadilha de Pobreza e Mobilidade Intergeracional no Brasil Metropolitano: Um Estudo das Décadas de 1980 a 2000.

Publicado: Quinta, 14 de Janeiro de 2021, 13h27 | Última atualização em Sexta, 15 de Janeiro de 2021, 14h25 | Acessos: 177

Apresentação:

  A pesquisa “Armadilha de Pobreza e Mobilidade Intergeracional no Brasil Metropolitano: Um Estudo das Décadas de 1980 a 2000”, conduzida e desenvolvida pela Coordenação de Estudos Econômicos e Populacionais da Fundação Joaquim Nabuco, objetivou investigar se as transformações sociais ocorridas nas últimas duas décadas, sobretudo a abertura econômica, estabilidade da moeda, a criação, intensificação e massificação de programas sociais como o Bolsa Família, a valorização do salário mínimo, a expansão da oferta dos serviços educacionais e entre outros, foram capazes de aumentar as oportunidades disponíveis na sociedade, de forma a impactar nos índices de mobilidade social. A pesquisa analisou três tipos de mobilidade entre a geração atual (filhos) de uma família com a anterior (pais ou mães): educacional, renda e ocupacional.  

  O processo metodológico do relatório partiu, inicialmente, da preparação do trabalho de campo com a delimitação da amostra. Essa etapa se deu a partir da utilização da Base de Dados de Setores Censitários do IBGE, do ano 2000. Em um primeiro momento, selecionou-se todos os setores censitários da Região Metropolitana do Recife em 2000, ordenando-os por faixa de renda do chefe do domicílio e por densidade de domicílios nos setores censitários. Depois, retirou-se uma amostra aleatória de setores censitários de modo que fosse representativa de todas as faixas de renda, e de todos os municípios da Região Metropolitana.

  Os questionários foram estruturados de forma semelhante aos questionários das PNADs. Contendo um bloco com informações do domicílio e outro bloco contendo informações das pessoas residentes. O trabalho de elaboração do questionário foi realizado pela equipe do Núcleo de Pesquisa de Campo da Fundaj em conjunto com a coordenação da pesquisa, a partir de informações disponíveis no site do IBGE sobre a metodologia da PNAD. Após a elaboração e realização do pré-teste do questionário, algumas modificações julgadas pertinentes foram efetuadas.

  No que diz respeito à definição da população investigada, a confecção dos dados primários da pesquisa se deu mediante a aplicação de questionários de uma amostra representativa dos domicílios particulares permanentes das áreas urbanas dos municípios da Região Metropolitana do Recife – RMR. São 15 o número de municípios pertencentes à RMR, os quais, Abreu e Lima, Araçoiaba, Cabo de Santo Agostinho, Camaragibe, Goiana, Igarassu, Ipojuca, Ilha de Itamaracá, Itapissuma, Jaboatão dos Guararapes, Moreno, Olinda, Paulista, Recife e São Lourenço da Mata. A amostra foi desenhada com a finalidade de obter representatividade para a RMR como um todo.  

  O tamanho calculado da amostra, em número de domicílios, foi distribuído de modo proporcional ao número de domicílios particulares permanentes das áreas urbanas dos municípios da RMR. Desta forma, cada município teve uma amostra de acordo com sua participação no número total de domicílios urbanos da RMR, ou seja, os municípios com mais domicílios, tiveram amostras maiores, e assim sucessivamente. Os municípios foram divididos em setores censitários, a saber, áreas com características geográficas e socioeconômicas semelhantes, e, dentro de cada setor censitário, foram entrevistados 10 domicílios. O instrumento de coleta de dados tem em sua composição 217 questões relativas às informações do domicílio; sobre os chefes e cônjuges de família, crianças e adolescentes de 6 a 15 anos de idade, exceto chefe; e dos Blocos 1 e 2 do Questionários (questões relativas ao cônjuge). Essas informações foram divididas em 11 blocos.

  Cabe destacar que os conceitos utilizados por esta pesquisa foram definidos de forma a possibilitar a comparação dos resultados obtidos com pesquisas realizadas com base em dados do IBGE. Ainda, é importante frisar que os dados primários da pesquisa em tela foram coletados em 1.740 domicílios dos 15 municípios da Região Metropolitana do Recife nos meses de Fevereiro, Março e Abril de 2010. A seguir, por meio da Tabela 1, é possível vislumbrar esse cenário.  

Tabela 1:  Domicílios particulares permanentes das áreas urbanas da Região Metropolitana do Recife, amostra da pesquisa e número de setores censitários amostrais.

Tabela 1 portal

  A amostra de entrevistados é composta por um total de 5.913 pessoas. Destas, 2.828 se definiram chefes e cônjuges do domicílio, 1.564 foram classificadas como outros membros moradores do domicílio com idade a partir de 16 anos completados na data da entrevista que não se identificaram como chefes e cônjuges de família nem do domicílio, 1.017 foram identificadas como crianças e adolescentes de 6 a 15 anos de idade e, finalmente, 504 crianças com idade inferior a 6 anos na data da entrevista. Essas, por sua vez, foram apenas computadas, nenhuma questão foi perguntada ou respondida sobre elas. Excluindo-se, portanto, as 504 crianças menores de 6 anos, a pesquisa apresenta informações detalhadas sobre características pessoais, trabalho, rendimento e mobilidade social para 5.409 pessoas. Desse total, 54% (2.907 pessoas) são mulheres e 47% (2.502 pessoas) são homens.

 

Infográficos:

iNFO 1 PORTAL

 INFO 2 portal

INFO 3 PORTAL

iNFO 4 PORTAL

 

Bancos de dados:

Mobilidade domicilios

Mobilidade pessoas

 

Dicionários:

Dicionário base pessoas

Dicionário base domicilios

 

 

registrado em: ,,
Fim do conteúdo da página

Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o fundaj.gov.br, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de privacidade. Se você concorda, clique em ACEITO.