Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Imprensa > Técnicos da Fundaj ministraram oficinas sobre conservação em Cabo Verde
Início do conteúdo da página

Técnicos da Fundaj ministraram oficinas sobre conservação em Cabo Verde

Publicado: Segunda, 20 de Mai de 2019, 14h59 | Última atualização em Segunda, 20 de Mai de 2019, 16h42 | Acessos: 122

O trabalho foi resultado de parceria com o país e aconteceu na Biblioteca Nacional de Cabo Verde (BNCV)

Uma equipe de técnicos da Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj) ministrou três oficinas de conservação, na Biblioteca Nacional de Cabo Verde (BNCV). A ação aconteceu por meio de uma parceria que foi firmada em 2018 entre a Fundação Joaquim Nabuco e o arquipélago de Cabo Verde, na África. Com o tema baseado na preservação do papel e da fotografia, a programação foi mediada pela Agência Brasileira de Cooperação (ABC) e ocorreu de 13 a 17 deste mês.

As oficinas foram oferecidas para 18 alunos de dez instituições diferentes de Cabo Verde como, a Biblioteca Nacional, o Arquivo Histórico, o Instituto do Patrimônio Cultural e a Fundação Amílcar Cabral. O trabalho foi ministrado por servidores do Centro de Documentação e de Estudos da História Brasileira Rodrigo Melo Franco de Andrade (Cehibra), dos setores do Laboratório de Pesquisa, Conservação e Restauração de Documentos e Obras de Arte (Laborarte) e do Centro de Documentação.

Os alunos tiveram uma semana intensiva de conhecimento e capacitação, o que forneceu conteúdo para colocar em prática o trabalho em suas instituições. “Para mim foi nota 10. É sempre bom ter novos conhecimentos e partilhar sobre tudo que se trata da resguarda de patrimônio documental. Cabo Verde ainda precisa muito capacitar seus técnicos na área”, afirmou Carlos Lima, do Instituto do Patrimônio Cultural de Cabo Verde.

Cooperação

A cooperação entre os dois países foi solicitada pela BNCV. “A instituição procurou a embaixada do Brasil em Cabo Verde para saber se podia ter o apoio dos brasileiros nas questões de gestão da biblioteca, em dois aspectos, principalmente. Primeiro, na conservação, preservação e difusão do acervo e, segundo, na difusão e fomento da leitura”, ressaltou Antônio Montenegro. Por seu trabalho rico na área de pesquisa, educação e conservação, a Fundaj foi escolhida para a parceria. Foi em abril de 2018 que se deu o primeiro contato com os cabo-verdenses, quando a Fundação enviou uma equipe técnica para preparar um programa preliminar de curso, lá em Cabo Verde.

Após essa primeira visita, um plano de trabalho com as demandas identificadas foi criado. Em outubro, quatro funcionárias da BNCV vieram ao Brasil e se reuniram com parte da equipe da Fundaj para planejar atividades em cima de textos literários e livros infantis, com foco na atividade lúdica, criativa e de transformação. Isso tudo para ser desenvolvido posteriormente em Cabo Verde. Já em dezembro, uma equipe da Fundaj esteve em Cabo Verde oferecendo cursos de escrita criativa e Cultura de Paz na  Biblioteca Nacional.

 
 
 
registrado em: ,
Fim do conteúdo da página