Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Imprensa > Fundaj promove Semana do Audiovisual
Início do conteúdo da página

Fundaj promove Semana do Audiovisual

Publicado: Quinta, 09 de Mai de 2019, 15h33 | Última atualização em Quinta, 09 de Mai de 2019, 20h42 | Acessos: 335

Com mostras de curtas vencedores do Concurso de Roteiros Rucker Vieira, lançamentos de prêmios e palestra, evento acontece de 13 a 17 deste mês no campus Derby

A Massangana Produções Audiovisuais Educativas, por meio da Diretoria de Memória Educação, Cultura e Arte (Dimeca) da Fundação Joaquim Nabuco, promove de 13 a 17 deste mês, a Semana do Audiovisual - Fundaj 70 anos. A abertura será no Cinema da Fundação, às 19h30, no campus Derby. Na ocasião, serão lançados os editais do XIV Concurso de Roteiros Rucker Vieira e II Prêmio Geneton Moraes de Jornalismo, a Mostra de Filmes Concurso Rucker Vieira, além de anunciadas parcerias na área do audiovisual.  O evento de abertura acontece no campus Derby.

“A Fundaj promove a Semana do Audiovisual para lançar as edições dos prêmios Rucker Vieira e Geneton Moraes, exibir filmes premiados em edições anteriores e anunciar novas parcerias. Tudo isso dentro dos novos focos institucionais da Fundação”, destacou o presidente da Fundaj, Alfredo Bertini.

A Mostra de Filmes Concurso Rucker Vieira reúne cinco curtas produzidos por meio do concurso de roteiros Rucker Vieira. O primeiro filme da mostra, exibido na noite do dia 13 (segunda-feira), é Parece Comigo, de Kelly Cristina Spinelli. O curta, um dos vencedores da 10ª edição do Rucker, explora a comercialização de bonecas negras no mercado brasileiro e mostra o trabalho das bonequeiras, enfrentando a gigante indústria de brinquedos com seu artesanato consciente.

No dia 14 (terça-feira), será a vez do curta Irmãos, de Maria Eduarda de Andrade, um dos ganhadores da 11ª Edição do Concurso Rucker Vieira. Por meio da relação de dois irmãos que vivem na zona rural de São José do Egito, o documentário propõe a reflexão sobre dinâmicas familiares e construção da identidade pessoal da infância. Na quarta-feira, dia 15, a telona do Cinema da Fundação exibirá O céu dos índios, de Flávia Abditibol, também premiado na 11ª edição, que fala sobre a astronomia indígena produzida por etnias amazônicas que dominam o conhecimento do céu, como saber complementar às suas vidas na terra.

Já nos dias 16 (quinta-feira)  e 17 (sexta-feira) serão exibidos, respectivamente O Touro (O Rei), de Larissa Figueiredo, e  FotogrÁfrica, de Alice Chitunda. O Touro, que venceu a 9ª edição do Rucker Vieira, traz para a tela o  universo mítico do sebastianismo luso-brasileiro, através do trabalho direto com os habitantes da Ilha dos Lençóis, no Maranhão. Por sua vez, FotogrÁfrica, retrata a vida de dona Amélia, uma angolana refugiada de guerra que recomeçou a vida em Olinda, Nordeste do Brasil.

No universo de filmes que será mostrado, o público terá a oportunidade de ver conteúdos que abordam temas da atualidade e imagens que se impõem pela sua objetividade, plasticidade, imponência e exuberância, com cenas às vezes “nuas e cruas” – como assim é a linguagem da obra do fotógrafo-cineasta Rucker Vieira, que inspirou o concurso –, exibindo nuances e realidades de um Brasil com suas múltiplas faces.

Prêmios

As inscrições para os prêmios Rucker Vieira e Geneton Moraes serão abertas no dia 20 deste mês. Com o tema As múltiplas faces do Brasil, a XIV edição do Rucker oferecerá dois prêmios no valor de R$ 80 mil, cada. “O tema é abrangente e se relaciona ao trabalho da Fundaj. Trata de hábitos, costumes, tradições, valores e crenças do povo brasileiro”, observa o diretor da Dimeca, Fernando Halinsk.

Os roteiros devem ser inéditos e os documentários decorrentes dos projetos premiados precisam ter 26 minutos de duração. O edital e os anexos do certame serão disponibilizados no site da Fundaj e no blog do concurso (https://ruckervieirafundaj.wordpress.com). O prémio é voltado para realizadores de audiovisual, professores , estudantes e documentaristas. As inscrições encerram em 26 de agosto.

Desde a sua criação, em 2003, o Rucker Vieira certame, promovido pela Massangana Produções Audiovisuais Educativas da Diretoria de Memória, Educação, Cultura e Arte da Fundação Joaquim Nabuco, vem permitindo a realização de roteiros de documentários sobre temáticas variadas, com o objetivo de gerar  produtos audiovisuais destinados à utilização como ferramenta em processos educacionais alinhados às diretrizes do Ministério da Educação e com vistas a estimular a produção independente de audiovisual do Brasil.

Até o momento, foram realizadas 13 edições e produzidos 24 filmes, que resultaram na elaboração de dois DVDs, integrantes da Coleção Rucker Vieira,  incluindo 15 documentários.

Em sua segunda edição, o Geneton Moraes Neto de Jornalismo traz como tema Os recursos hídricos no Brasil, sendo direcionado aos aspectos de conservação, preservação, desenvolvimento , valorização, aproveitamento e distribuição da água. Serão oferecidas seis premiações, em duas categorias: texto Jornalístico e Vídeo-reportagem. Os primeiros são de R$ 25 mil para o primeiro colocado, R$ 15 para o segundo e R$ 10 mil para o terceiro, de cada categoria. O edital e os anexos serão disponibilizados no site da Fundaj (www.fundaj.gov.br) e no blog do prêmio (https://premiogenetonmoraesneto.wordpress.com).  

Palestra

Realizada no segundo dia da Semana de Audiovisual, a palestra Audiovisual: Infraestrutura e formação técnica será realizada pelo assessor da diretoria da Agência Nacional do Cinema (Ancine), Selmo Kaufmann, e pela coordenadora-substituta do Centro Técnico Audiovisual (CTAv), Débora Palmeira. “Vamos falar sobre a importância e as possibilidades para o desenvolvimento do setor. Não há como fazer audiovisual sem pensar na infraestrutura. Vou, também, fazer uma retrospectiva do que a Ancine já fez e o que se espera”, destacou Kaufmann.

Para Débora Palmeira, a formação da etapas mais relevantes da cadeia produtiva do audiovisual. “Temos muito investimento em produção, editais, incentivo fiscal. O que torna imprescindível que os profissionais dessa indústria sejam capacitados e tenham o entendimento das inúmeras possibilidades de atuação profissional do setor”, ressaltou Débora Palmeira.   

Serviço:

Semana do Audiovisual

Fundação Joaquim Nabuco - 70 anos

13 a 17 de maio

Mostra de Filmes Concurso Rucker Vieira

Dia 13 - às 19h30

De 14 a 17 - a partir das 13h10

Entrada franca

Dia 13 - Abertura

Lançamento dos prêmios Rucker Vieira e Geneton Moraes Neto

Cinema da Fundação, às 19h30

Dia 14 - Palestra

Audiovisual: Infraestrutura e formação técnica

Selmo Kaufmann, da Ancine e Débora Palmeira, do Centro Técnico Audiovisual

Sala João Cardoso Ayres, às 19h

Entrada franca



PROGRAMAÇÃO DA MOSTRA DE FILMES CONCURSO RUCKER VIEIRA

Data: 13/5  Hora: 19h30

Filme: Parece Comigo, de Kelly Cristina Spinelli (SP – 2016)

Um dos vencedores da 10ª Edição do Concurso Rucker Vieira, submetida ao tema AFRICANTOS: HISTÓRIAS E MEMÓRIAS DO POVO AFRO-BRASILEIRO. O documentário explora a comercialização de bonecas negras no mercado brasileiro e mostra o trabalho das bonequeiras que tentam mudar esse cenário, enfrentando a gigante indústria de brinquedos com seu artesanato consciente.

Data: 14/5  Hora: 13h10

Filme: Irmãos, de Maria Eduarda de Andrade (PE – 2018)

Um dos vencedores da 11ª Edição do Concurso Rucker Vieira, submetida à temática CINEMA E EDUCAÇÃO – OLHARES E SABERES SOBRE A REALIDADE. Por meio da relação de dois irmãos que vivem na zona rural de São José do Egito, o documentário propõe a reflexão sobre dinâmicas familiares e construção da identidade pessoal da infância. O mais novo tem 11 anos;  seu irmão mais velho, 15. Os dois vivem numa família católica de tradição sertaneja. Ao falar sobre a relação fraternal de dois indivíduos, Irmãos abordará a construção da identidade humana, a partir da relação com o outro.

Data: 15/5    Hora: 14h

Filme: O Céu dos índios, de Flávia Abditibol (AM – 2017)

Um dos vencedores da 11ª Edição do Concurso Rucker Vieira, submetida à temática CINEMA E EDUCAÇÃO – OLHARES E SABERES SOBRE A REALIDADE. O documentário tenta desvendar a astronomia indígena produzida por etnias amazônicas que dominam o conhecimento do céu, como saber complementar às suas vidas na terra. Este olhar peculiar estabelece uma relação de cumplicidade entre a terra e o céu que a cultura ocidental tem dificuldade em firmar. Através da observação, os índios utilizam as Constelações de Homem Velho, da Ema, da Surucucu, para plantar, migrar, caçar, pescar.

Data: 16/5    Hora: 14h

Filme: O Touro (O Rei), Larissa Figueiredo (DF – 2015)

Um dos vencedores da 9ª Edição do Concurso Rucker Vieira, submetida ao tema NORDESTES EMERGENTES. Um filme que permeia o universo mítico do sebastianismo luso-brasileiro, através do trabalho direto com os habitantes da Ilha dos Lençóis, no Maranhão, documentando encontros cotidianos, crenças e costumes.

Data: 17/5    Hora: 14h

Filme: FotogrÁfrica, de Alice Chitunda (PE – 2015)

Dona Amélia é uma angolana refugiada de guerra que recomeçou a vida em Olinda, Nordeste do Brasil. A partir do seu mural de fotografias, a sua filha brasileira vai em busca de suas raízes, dividida entre as memórias da família e as manifestações de origem africana que ela encontra pelo caminho.

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página