Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Imprensa > Fundaj promove entrega de certificados do Prêmio Delmiro Gouveia no Cinema do Museu
Início do conteúdo da página

Fundaj promove entrega de certificados do Prêmio Delmiro Gouveia no Cinema do Museu

Publicado: Sexta, 16 de Julho de 2021, 00h07 | Última atualização em Quinta, 22 de Julho de 2021, 12h51 | Acessos: 186

Solenidade foi presidida pelo Ministro da Educação, Milton Ribeiro, e contou com lançamento digital de livro que reúne 90 perfis dos vencedores do certame

Revelar todos os Nordestes. Ao longo dos nove estados que compõem a região, iniciativas diversas apontam para o futuro e salvaguardam a memória do território. São histórias de desafio e superação, mas também de coragem e ousadia. Algumas delas podem ser conferidas no livro Cultura Viva do Nordeste (Editora Massangana, 2021), lançado pela Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj), na noite desta quinta-feira (15), em cerimônia realizada no Cinema do Museu, em Casa Forte, no Recife. A solenidade foi presidida pelo Ministro de Estado da Educação, Milton Ribeiro, que entregou certificados aos representantes dos nove estados da região.

Participaram da premiação nove representantes dos 90 vencedores e dos respectivos nove estados. Nomes e projetos como o da sergipana Mariana Cavalcante e o projeto Labafero, responsável por cursos online com artistas populares; a baiana Carine Araújo e o Festival do Licor de Cachoeira, que preserva receitas centenárias das bebidas produzidas com os frutos das estações, no Recôncavo Baiano; a pernambucana Marília Letícia Santiago, com o Eu e Tu no Forró, que promove aulas de dança regional para cegos; o piauiense Walter dos Santos Dias e a Associação Abadá-Capoeira, de Simplício Mendes, que democratiza o esporte no município.

Também outros projetos de traço secular, como o Morada, de Lucyana Xavier de Azevedo e Suellen Albuquerque, que visibilizam as produções feitas em bordado labirinto na Paraíba. A técnica é reconhecida patrimônio cultural e imaterial do estado, onde é mantida por aproximadamente 3,5 mil mulheres. Representando o Museu Auta Pinheiro Bezerra, do Rio Grande do Norte, que preserva as memórias de uma família potiguar, esteve presente José Alta Limeira; já o alagoano coworking de marcenaria Wood co-Lab, contou com a representação de seu idealizador, Rodrigo Gonçalves Ribeiro; e, por sua vez, Fabiana Pereira Barbosa representou a Fundação Casa Grande, do Ceará.

Já em São Luiz do Maranhão, o Mestre Zé Reis mantém o Encontro dos Miolos de Bumba-Meu-Boi de Todos os Sotaques. Na solenidade, ele festejou o reconhecimento. “Agradeço muito à Fundação por este prêmio e por prestigiar os mestres da cultura brasileira. Meu projeto é sobre o anonimato. O que é o miolo? É aquela figura que dança debaixo do boi, que no período junino não é conhecido. Ele é conhecido também como tripa e como fato. É importante valorizar o brincante”, disse o produtor cultural. Com os recursos do prêmio, ele disse que serão investidos no miolo, em uma sede social e assistência de saúde para os brincantes.

Noite de celebração
Idealizado pela Diretoria de Memória, Educação, Cultura e Arte (Dimeca), da Fundaj, o certame destinou R$ 900 mil de orçamento próprio na sua edição de estreia, distribuídos igualmente entre os vencedores. Ou seja, R$ 10 mil, cada. Para a solenidade nove ganhadores representaram os premiados. Um para cada estado. “É um prêmio de reconhecimento pelo que eles já fazem”, destacou o diretor da Dimeca, Mario Helio. Os convidados foram recepcionados desde às 18h, no hall do Museu do Homem do Nordeste (Muhne), pelos cantadores de viola Antônio Lisboa e Edmilson Ferreira. Ainda na abertura do evento, o cordelista e empreendedor social Edgar Diniz recitou poemas de Amaro Poeta, Petrúcio Amorim e de sua autoria.

Dois vídeos foram exibidos: um com um breve resgate da história do industrial Delmiro Gouveia, que empresta o nome ao prêmio, e outro em que o sociólogo Gilberto Freyre fala sobre a diversidade do Nordeste. Abrindo a ordem de falas, o diretor da Dimeca destacou que o momento representava a efetivação de um compromisso público e, também, uma prestação de contas.  As mulheres do Grupo Flor de Barro, do Alto do Moura, em Caruaru, entregaram doaram peças confeccionadas pela associação à Fundação Joaquim Nabuco. A iniciativa também foi selecionada e destaca a participação das mulheres caruaruenses no trabalho artesanal que é um dos símbolos de Pernambuco. Em seguida, os certificados foram entregues aos premiados.

“Esse Prêmio só foi possível porque os diretores desta Casa deram as mãos e partilharam um pouco de seu orçamento”, destacou o presidente da Fundaj, Antônio Campos. “Estamos prestando conta do que prometemos. Fazemos isso porque acreditamos na força do povo brasileiro”, concluiu. Por sua vez, o ministro da Educação, Milton Ribeiro, destacou a satisfação com a realização da atividade e a consolidação do livro e do site. “Quando eu sugeri que essas histórias pudessem ser colocado em livro, como se fosse uma memória, foi pensando que alguém possa ver esse livro e pensar novas ideias. Quero parabenizar a todos, para mim é sempre uma honra estar aqui nesta casa, que também é MEC.”

Livro e site
O título assinado pela jornalista Karla Veloso reúne os 90 perfis dos vencedores do Prêmio Delmiro Gouveia, promovido pela Instituição Federal no segundo semestre de 2020. A obra trata do levantamento mais atual sobre a Economia Criativa no Nordeste. No evento, o público foi apresentado ao design editorial que estará disponível, a priori, digitalmente. Mas que contará com lançamento exclusivo em breve. Para o diretor de Memória, Educação, Cultura e Arte (Dimeca), Mario Helio, este livro é o primeiro trabalho consolidado do Observatório de Economia Criativa, o Nordeste Criativo. Mario apresentou o layout do site do observatório e relembrou a gênese das discussões sobre estes projetos.

Mencionado desde o lançamento do prêmio, em outubro do último ano, e na divulgação dos vencedores, em novembro, o Observatório de Economia Criativa do Nordeste vem sendo projetado como entidade responsável por este mapeamento. Na solenidade, a Fundaj promoveu o pré-lançamento do site, que servirá de reduto para a inscrição de iniciativas de toda a região, uma mistura de mapa cultural e econômico, e rede social. “Nele, os pesquisadores terão acesso ao nosso acervo, mas também ao público-geral. Todos poderão gerar conteúdo para esta página”, explica Mario Helio.

“Desde o início da sua história, a Fundação é um órgão dedicado a estudar os problemas da região Nordeste e propôr soluções, e entendeu que deveria iniciar um programa, dentro do que chamamos de políticas públicas, para não apenas estudar, mas tomar iniciativas práticas. Cultura é sobrevivência, é meio de vida, não é algo apenas da nossa cabeça”, recordou o diretor. “Nós temos um orçamento limitado. No início da pandemia, quem trabalha com cultura esteve particularmente afetado. Buscamos criar um prêmio com o mínimo de burocracia e iniciar um estudo, um mapeamento do Nordeste, que nós ainda desconhecemos muito.”

Agenda
A cerimônia de lançamento do livro e o pré-lançamento do site encerraram a agenda do ministro da Educação para a quinta-feira. À tarde, a Fundaj promoveu a inauguração da sede própria da Cinemateca Pernambucana, no Anexo B do Solar Francisco Ribeiro Pinto Guimarães, no Complexo Cultural Gilberto Freyre, em Casa Forte, na Zona Norte do Recife. Milton também acompanhou a assinatura de um acordo de cooperação técnica entre a Fundação, vinculada à sua pasta, e o Instituto de Inovação e Economia Circular (IEC), do Centro de Recondicionamento de Computadores de Pernambuco (CRC-PE), para o recolhimento dos eletrônicos descartados.

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página

Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o fundaj.gov.br, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de privacidade. Se você concorda, clique em ACEITO.