Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Imprensa > Diário de escritor português produzido na pandemia será editado pela Massangana
Início do conteúdo da página

Diário de escritor português produzido na pandemia será editado pela Massangana

Publicado: Segunda, 22 de Fevereiro de 2021, 15h47 | Última atualização em Terça, 23 de Fevereiro de 2021, 15h23 | Acessos: 75
Iniciado em 2020, o Diário Visual e Gráfico refletiu temas doloridos e banalidades em meio à maior crise sanitária do mundo
 
O Diário Visual e Gráfico chegou ao fim no último dia 1º. Publicado pelo premiado escritor português Gonçalo M. Tavares, a parceria com a Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj) marcou uma colaboração inédita de um dos maiores nomes da literatura lusitana contemporânea com o Brasil. A série contabilizou cerca de 180 capítulos, desde julho de 2020, e renderá um livro publicado pela Editora Massangana, braço editorial da instituição federal. “Conclui-se uma etapa, que é sua divulgação diária. A partir de agora, vem outra da maior importância, que é o planejamento editorial para que este Diário se torne um livro e sintetize com agudeza todo um tempo cheio de tensão e tragédia”, declara o diretor de Memória, Educação, Cultura e Arte, Mario Helio.
 
Ao longo de sete meses, o escritor fundiu literatura, poesia e elementos organizacionais a relatos sobre a pandemia da Covid-19. Assim, as crônicas da vida cotidiana no intitulado ‘novo normal’ ganharam diagramações inéditas. “A memória de dois anos que extrapola as datas, porque há nessa publicação uma linguagem que é um exercício de prosa poética. Gonçalo M. Tavares construiu com esse diário quase um novo gênero literário”, observa Mario. “Significa um motivo de orgulho para qualquer editora publicar a obra de Gonçalo M. Tavares, a quem toda a crítica e os leitores mais exigentes consideram um dos mais relevantes escritores europeus na atualidade. Não apenas pela variedade e riqueza de sua produção, mas pela originalidade, a inventividade e sentido estético”, finaliza.
 
Residente em Lisboa, capital portuguesa, o escritor recorda como surgiu a ideia da experiência. “Sempre me interessou esta ideia de colocar os pensamentos e reflexões em um ponto de vista visual. Gosto muito das ideias que se podem ver, das ideias que se podem desenhar”, conta Gonçalo, ao explicar o surgimento do projeto. “O ponto inicial tinha muito a ver com uma tentativa de boicotar a ideia que os gráficos só servem para contabilidade ou mostrar o número de mortos. Houve uma tentativa de mostrar que eles podem ser poéticos, trágicos, narrativos, ficções, material de literatura.”
 
Muito além dos gráficos, Tavares abordou pautas complexas como xenofobia,  dilemas entre a economia e a vida, mortes e a restruturação de um novo planeta em silêncio, ou onde os animais resgataram seus antigos habitats naturais. Com uma escrita pouco óbvia, ele desafiou os leitores a encontrarem os inúmeros sentidos possíveis aos seus diários. “O Diário Visual e Gráfico tentou acompanhar o que estava acontecendo no exterior, mas ao mesmo tempo no interior e aquilo em que eu ia pensando. Ou seja, em primeiro lugar em um diário. Portanto uma espécie de documento do escritor com consigo próprio e também com os acontecimentos. Nesse particular, com a peste”, justifica.
 
Uma das promessas na literatura de Portugal, Gonçalo desde o início arranca elogios por onde passa. Não à toa, foi reconhecido pelo autor de Ensaio sobre a cegueira, o já falecido José Saramago. Dentre os prêmios que coleciona, destaque para a obra Jerusalém (Caminho, 2004), considerada pelo jornal Público o livro da década e traduzida para mais de 50 países. Com o Diário Visual e Gráfico ampliou os laços com o Brasil. “A colaboração com a Fundaj foi muito importante, esta ideia de uma presença diária e constante marcou qualquer coisa de novo que ainda não tinha feito com o País. Só o fato de um diário ser escrito em Lisboa, sem precisar de tradução e aparecer do outro lado do Atlântico é logo algo muito extraordinário.”
 
No lançamento da iniciativa, a Diretoria de Memória, Educação, Cultura e Arte (Dimeca) destacava a importância de se promoverem intercâmbios de debates e reflexões em meio à pandemia da Covid-19. Gonçalo conclui indicando o desejo de futuras colaborações e celebrando a conclusão de mais um projeto. “Me entusiasma a ideia de colaborar no futuro com a Fundaj, esta Instituição que dá uma importância invulgar à Arte. [Sobre a experiência com o uso de elementos organizacionais], é um trabalho que quero continuar e pensar como no futuro irei enquadrar na minha obra. Das frases se tornarem desenhos, os desenhos tornar-se frase, o gráfico se tornarem reflexão, o gráfico que se lê como a um verso”, finaliza.
 
registrado em: ,
Fim do conteúdo da página

Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o fundaj.gov.br, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de privacidade. Se você concorda, clique em ACEITO.