Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Imprensa > Educadores do Museu do Homem do Nordeste da Fundaj recebem formação sobre área de tombamento
Início do conteúdo da página

Educadores do Museu do Homem do Nordeste da Fundaj recebem formação sobre área de tombamento

Publicado: Quinta, 01 de Outubro de 2020, 11h28 | Última atualização em Quinta, 01 de Outubro de 2020, 11h28 | Acessos: 71

A capacitação “A arquitetura do Campus Gilberto Freyre: os edifícios Francisco Ribeiro, Gil Maranhão e Paulo Guerra no panorama da arquitetura brasileira” ocorreu na tarde desta quarta-feira (30), na sala Calouste Gulbenkian, campus Casa Forte

Com o pedido de tombamento do campus Casa Forte da Fundação Joaquim Nabuco, já deferido pela Secretaria Estadual de Cultura e pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) desde julho deste ano, a Fundaj promoveu, na tarde desta quarta-feira (30), uma formação voltada para educadores do Museu do Homem do Nordeste com a temática em arquitetura e áreas de tombamento.

Coordenado pelo historiador e servidor da Casa, Rodrigo Cantarelli, e pelo coordenador de Exposição e Difusão de Cultura do Muhne, Antônio Montenegro, a capacitação reuniu cerca de 20 educadores, que seguiram as medidas de segurança e distanciamento devido ao cenário pandêmico do coronavírus.

No primeiro momento, os educadores receberam uma introdução. Em seguida, visitaram o casarão Solar Francisco Ribeiro Pinto Guimarães e a edificação anexa.

“Os prédios e suas arquiteturas fazem parte do circuito cultural tão importante quanto os museus. São prédios valiosos que fazem parte da instituição e da sua história. A capacitação foi pensada para acrescentar e mostrar suas histórias, arquiteturas e esclarecer pontos no processo de tombamento”, explicou Cantarelli.

Para a coordenadora de Ações Educativas e comunitárias do Muhne, Edna Silva, a ideia de capacitar os monitores partiu da necessidade de aproveitar os espaços disponíveis para objeto de mediação da Fundação Joaquim Nabuco. “Neste momento o Museu encontra-se fechado. Dessa forma, sentimos a necessidade de expandir e ampliar nossos objetos de mediação, para trabalhar além de museus e galerias”, explicou.

O educador do Museu do Homem do Nordeste, Murilo Dayo, comemorou a ação positiva promovida pela Instituição. “Com essa capacitação pude conhecer e aprender mais sobre a arquitetura dos prédios, monumentos, histórias, culturas e outros temas que ainda não tinha conhecimento. Muito enriquecedor para o nosso trabalho”, enfatizou.

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página