Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Imprensa > Museu ensina crianças a fazer La Ursa e instrumentos para troça carnavalesca
Início do conteúdo da página

Museu ensina crianças a fazer La Ursa e instrumentos para troça carnavalesca

Publicado: Terça, 11 de Fevereiro de 2020, 21h50 | Última atualização em Terça, 11 de Fevereiro de 2020, 21h50 | Acessos: 410

Atividades desenvolvidas pelo Educativo do Museu do Homem do Nordeste tiveram objetivo de estreitar relação com comunidades do entorno

“Acho que sou ótimo em colar glitter”, disse orgulhoso José Roberto, 7, para Edna Silva, coordenadora do Educativo do Museu do Homem do Nordeste (Muhne). Na terça-feira (11), ele e outros sete amigos participaram das oficinas de confecção de fantasia e instrumentos musicais em Areal de Apipucos, na Zona Norte do Recife. A 1,8 km dali — uma média de 8 minutos — está localizado o Muhne, onde, no domingo (16), a criançada da comunidade de Roberto; da vizinha Beira Rio; da Casa das Crianças Marcelo Asfora, de Casa Forte; e de Tabatinga, bairro de Camaragibe, participam da segunda edição deste ano do Domingo dos Pequenos.

Durante as oficinas, que serão realizadas também nesta quarta (12), a meninada deu início à confecção da fantasia de La Ursa que acompanhará o bloquinho. Adriano Henrique e Igor Vinícius, ambos de 8 anos, ajudaram no corte das fitas em TNT para montar a roupa. Patrícia Soares, 11, na decoração dos ganzás [instrumento musical de percussão utilizado no samba e outros ritmos brasileiros] feito com garrafas pet. William Adriel, 9, Christian Benjamin, 10, e Claudio Miguel, 12, montaram a percussão com latas de tinta e leite em pó. “Vocês estão aprendendo como nasce uma fantasia, como é feito o Carnaval”, destacou Edna Silva.

“As atividades de Carnaval sempre têm como base o frevo. A ideia, neste ano, foi partir de um ponto diferente e trazer as troças e os ursos. Na ‘Exposição 40 anos, 40 peças’, do Muhne, temos uma La Ursa e as crianças quando vêm ficam com medo. Queremos trazer essa manifestação, que é muito popular, de uma forma que os menores entendam o processo e por fim ao estranhamento com o personagem”, explica a monitora Elida Nathália. Além da fantasia confeccionada nas oficinas, uma fantasia menor emprestada por uma agremiação de São Lourenço da Mata integrará o folguedo organizado pelo Educativo.

A atividade foi promovida na casa de Lindinete Borges, 57, a dona Linda, como é conhecida em Areal. É de lá que acontece o esquenta para o Domingo dos Pequenos, com a estreia da troça infantil Segura o Talinho. O material que ganhará as ruas com o bloquinho é o mesmo que está sendo produzido pelas crianças. “Eles estão muito animados. Aqui moram crianças carentes, que precisam se divertir e que não conhecem um museu. Estamos felizes com esse contato”, comemorou Linda, cuja relação com o Museu não é recente. Sua falecida mãe, a lavadeira Maria dos Santos Borges tinha carinho pela Fundação Joaquim Nabuco, que visitou até pouco antes de sua morte.

“A ideia é que nos aproximemos cada vez mais do entorno do Museu. O entorno diz muito do fluxo e das pessoas que moram neste lugar. Estamos trabalhando com o princípio de um equipamento que escuta, conversa e aprende. Muito além do processo de ensino-aprendizagem de um sujeito que só ensina, quando a gente aprende muito ao sair do espaço institucional”, reflete a coordenadora. Em 2020, o equipamento adotou o conceito de ‘museu de vizinhança’, que norteará todas as atividades desenvolvidas pelo Educativo. Estreitar as distâncias geográficas e produzir um afinamento afetivo são apenas alguns dos objetivos assumidos.

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página

Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o fundaj.gov.br, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de privacidade. Se você concorda, clique em ACEITO.