Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Imprensa > Exposição revisita edições passadas da troça carnavalesca Segurando o Talo
Início do conteúdo da página

Exposição revisita edições passadas da troça carnavalesca Segurando o Talo

Publicado: Quarta, 05 de Fevereiro de 2020, 16h09 | Última atualização em Quinta, 13 de Fevereiro de 2020, 17h24 | Acessos: 197

Lançamento da mostra acontece no sábado (15), às 9h, durante concentração do bloco no Campus Gilberto Freyre, em Casa Forte, no Recife

Em um convite para revisitar a trajetória de um dos principais blocos da região Norte do Recife, a Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj) lança, no próximo sábado (15), às 9h, a exposição “Segurando o Talo por uma Sociologia da Alegria”. A homenagem à troça carnavalesca criada pelos motoristas da Instituição, em 1984, contará com instalação na Sala Mauro Mota, localizada no Campus Gilberto Freyre, em Casa Forte, bairro da Zona Norte do Recife.

Às vésperas dos festejos de Momo, o público poderá conferir a evolução da indumentária utilizada pela troça ao longo dos anos. Além das camisetas da Troça Carnavalesca Mista Turma da Jaqueira Segurando o Talo, os manequins mascarados vestirão o abadá de outras agremiações de bairros como Alto de Santa Isabel e Vasco da Gama. A Orquestra Arrecifes Frevo assume a recepção durante a vernissage. Na sequência, passistas e caboclinhos se apresentam no pátio do campus.

Para Antônio Campos, presidente da Fundaj, a exposição evidencia o que há de mais genuíno do fenômeno carnavalesco. “A vertente mais significativa acontece nos subúrbios da cidade. O frevo, por exemplo, nasceu na rua. A Fundação tem um compromisso com todas as expressões de arte e cultura, do genuinamente popular ao severamente acadêmico; e a Zona Norte é uma das regiões da cidade onde os bairros mantêm a tradição associada à modernidade para renovar a alma do folião”, reflete Campos.

Outro destaque da mostra expográfica é a presença do tradicional boneco gigante de Gilberto Freyre, que neste ano não sairá às ruas para integrar a exposição. “O sociólogo ganhará um traje especial para a ocasião, que preferimos manter surpresa. A fantasia está sendo produzida pelas equipes de design e educativo do Museu do Homem do Nordeste, no estilo homemade museum [‘museu feito em casa’, em livre tradução]”, destaca a museóloga e curadora Ciema Mello.

A fim de promover uma imersão, registros em vídeo feitos nesses 36 anos serão projetados na sala. Dentre eles, o filme emblemático em que o sociólogo de Apipucos segura a fruta que dá nome ao bloco. “Gilberto era um sociólogo sui generis, pois ele compreendia que o Carnaval era a desordem premeditada pela ordem. Quando estudamos Sociologia, descobrimos que aquilo que parece ser não é. Ele contesta essa definição e compreende os estratagemas que compõem a folia”, aponta a curadora, ao explicar o título da exposição.

Bloco na rua
Com saída da troça programada também para o sábado (15), a concentração do bloco Turma da Jaqueira Segurando o Talo começa às 10h, no campus Casa Forte da Fundaj. A saída, prevista para às 12h, contará com participação dos blocos líricos Eu Quero Mais, Confetes e Serpentinas e Cordas e Retalhos. As orquestras Aurora Frevo Orquestra (Timbaúba), Evoé (Recife) e Arrecifes Frevo Orquestra (Recife), além dos maracatus rurais Piaba de Ouro e Cruzeiro do Forte (mais antigo do Recife, criado em 7 de setembro de 1929), integram a folia.

Nas ruas, os foliões também serão animados por seis trios elétricos, que contarão com André Marreta, Beleza Pura, Silvana Salazar, Camelô, Eduardo Moreno e a Farra das Poderosas, Malu Marinho, Márcia Lima, Marquinhos Balada e Bel Marcos. A troça percorrerá a Avenida Dezessete de Agosto, passando pelas ruas Doutor Seixas, Luiz Guimarães, Rua dos Arcos encerrando na Rua de Apipucos. O trajeto será acompanhado pelos bonecos gigantes de Nelson Ferreira, Fernando Freire e Manoel Cavalcanti.

Em 2020, A Turma da Jaqueira homenageia o líder comunitário Walber Santos, a ex-dirigente da Diretoria Executiva de Controle Urbano do Recife (Dircon) Olímpia Falcão e o bloco Nós sofre mas nós goza. A expectativa é de que 150 mil foliões participem do Segurando o Talo neste ano.

Para a criançada
Pensando nos foliões de amanhã e na inclusão social, o Museu do Homem do Nordeste (Muhne) lança o Segurando o Talinho. A versão para os menores será promovida no domingo (16), a partir das 8h30, na comunidade Beira-Rio, em Apipucos. A atividade integra a programação do segundo Domingo dos Pequenos do ano, que, nesta edição, traz como tema o Carnaval. Na sequência, a criançada conhecerá o Muhne, onde serão promovidas oficinas de de frevo, estandarte e instrumentos musicais. A brincadeira contará, ainda, com karaokê e desfile de La Ursa.

Serviço
Lançamento da exposição ‘Segurando o Talo por uma Sociologia da Alegria’
Local: campus Casa Forte/Fundaj (Avenida Dezessete de Agosto, 2187)
Data: 15 de fevereiro de 2020
Horário: 9h

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página