Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Imprensa > Fundaj assegura funcionamento da Biblioteca do Coque
Início do conteúdo da página

Fundaj assegura funcionamento da Biblioteca do Coque

Publicado: Sábado, 05 de Outubro de 2019, 23h04 | Última atualização em Sábado, 05 de Outubro de 2019, 23h04 | Acessos: 119

Anúncio do presidente Antônio Campos foi realizado durante a abertura do estande da instituição na XII Bienal do Livro neste sábado (5/10)

 O estande da Fundação Joaquim Nabuco na XII Bienal Internacional do Livro de Pernambuco foi aberto oficialmente neste sábado (05/10). No espaço, que homenageia o centenário de João Cabral de Melo Neto, foram realizadas apresentações culturais, lançamentos da 46ª edição da Revista Ciência e Trópico e do livro Para ser o Seu Bairro. Durante seu pronunciamento, o presidente anunciou o apoio à Biblioteca do Coque, que enfrenta a falta de espaço para funcionar.


“Vamos levar um programa de leitura a três bairros do Recife, incluindo o Coque, onde, além de incentivar a leitura, teremos a missão de colaborar para manter a biblioteca funcionando”, destacou Antônio Campos. O anúncio alegrou a professora da Escola Municipal do Coque, Érica Montenegro, que colabora com o projeto Para ler o seu Bairro e com a biblioteca. “O projeto de conhecimento do bairro foi um divisor de águas para nossos alunos. Permitiu que moradores fortalecessem suas identidades a partir do momento que entenderam melhor a história de onde vivem”, afirmou a professora.
Editado pela Massagana, editora da Fundaj, o exemplar é fruto de uma parceria entre a Biblioteca Blanche Knopf da Fundaj e o Programa Manuel Bandeira de Formação de Leitores da Prefeitura do Recife. Em suas páginas, reúne uma coletânea das obras escritas e publicadas por quase 270 alunos da rede municipal de ensino que com ajuda de professores, pesquisadores e moradores de 11 comunidades diferentes, investigaram e narraram as histórias dos seus bairros.


Em sua terceira edição, o projeto tem atuação crescente. Começou com nove escolas, passou para dez na edição seguinte e, neste ano, 14 instituições de ensino público estão participando. “Em novembro faremos a culminância desta etapa, com a apresentação dos livro artesanais”, adiantou a coordenadora da biblioteca Blanche Knopf, Nadja Tenório Pernambucano.

Estande -
A programação da abertura oficial do estande da Fundaj/Editora Massagana foi recheada. Além do livro Para Ler o seu Bairro, apresentação de trechos musicados de Morte e Vida Severina, lançamento da edição especial de 46 anos da revista científica Ciência & Trópico e oficinas de Twister e de fantoches. O artista Adriano Cabral, interpretando Joaquim Nabuco, iniciou a solenidade de abertura do espaço.
Em seguida, foram entoados trechos musicados de “Morte e Vida Severina”, de João Cabral de Melo Neto, autor tema do estande. “O livro é um elemento civilizador. A educação está presente em uma casa onde se tem livro. O livro é uma forma de viajar e uma máquina espetacular na mão do homem; é também uma forma de resistir e é resistência. A inauguração do estande é uma forma simbólica de relançar a Editora Massangana no mercado de livros. Dessa forma, reafirmamos nosso compromisso com a cultura pernambucana e com a cadeia de livros pernambucana e também nordestina”, afirmou o presidente da Fundaj. 
 
O lançamento da edição especial de 46 anos da revista Ciência e Trópico foi coordenado por Alexandrina Sobreira, da Diretoria de Pesquisas Sociais (Dipes), da Fundaj. “A obra é um trabalho coletivo de pesquisadores da casa junto aos de outras instituições. Com isso, a revista cumpre uma das missões da Fundaj que é divulgar resultados de pesquisas feitas pela casa”, afirmou a pesquisadora.
As oficinas de Twister e de Fantoches movimentaram a tarde da criançada. Os pequenos passaram por lá para brincar e construir o brinquedo de contar histórias. “Eu fiz um fantoche de Joaquim Nabuco com uma meia! Nunca tinha feito desse jeito. Foi muito legal!”, afirmou Letícia Cristina, 9 anos.

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página