Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Imprensa > Carroça 21" é exibido no Cinema da Fundação/Derby
Início do conteúdo da página

Carroça 21" é exibido no Cinema da Fundação/Derby

Publicado: Quinta, 05 de Setembro de 2019, 16h51 | Última atualização em Quinta, 05 de Setembro de 2019, 16h52 | Acessos: 44

O projeto de Acessibilidade Expandida do Cinema da Fundação traz uma sessão/debate imperdível para a manhã desta sexta-feira (6/9), com o curta-metragem Carroça 21, dirigido pelo realizador Gustavo Pera. O filme traz a história da " mulher, mãe e catadora de materiais recicláveis Elismaura Pereira", como divulgado pelo coletivo Pimp My Carroça, responsável pela distribuição do curta. Entrada gratuita, no Cinema da Fundação/Derby, às 10h.

“Seu lixo é meu luxo” – estes dizeres, estampados em uma das carroças customizadas pela iniciativa Pimp My Carroça, sintetiza bem a sua missão. O movimento iniciado pelo grafiteiro Mundano transforma carroças de catadores de lixo com cores, desenhos e grafismo, o que fomenta a valorização do trabalho dos carroceiros ao redor do mundo. O coletivo já atendeu mais de 1200 carroceiros, gerando impacto direto em quase 50 cidades, em mais de 10 países. Além disso, ele ainda conta com uma rede de apoio com mais de 1800 voluntários.

Esta sessão faz parte da proposta de Acessibilidade Expandida do Cinema da Fundação/Derby. “É um projeto que estamos iniciando agora”, conta a coordenadora do cinema, Ana Farache. “A ideia é tratar de uma acessibilidade que vai além das barreiras físicas e comunicacionais. A Acessibilidade Expandida implica em abrir espaços para outros setores da sociedade que estão segregados, como pessoas em situação de rua.” 

11min | Brasil, 2019 | Sinopse: Elismaura Pereira, mulher negra, mãe de sete filhos, atua como carroceira há 20 anos. conhecida como Maura, ela é personagem central do documentário Carroça21. A história traz o cotidiano dessa catadora que percorre das sete da manhã até onze da noite bairros da zona sul e outras regiões da cidade de São Paulo atrás de caixas de papelão, objetos de plásticos e outros resíduos que podem ser destinados em cooperativas a ferro velho.

 

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página