Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Imprensa > Sucesso no lançamento da biografia de Geneton
Início do conteúdo da página

Sucesso no lançamento da biografia de Geneton

Publicado: Segunda, 02 de Setembro de 2019, 15h44 | Última atualização em Segunda, 02 de Setembro de 2019, 15h44 | Acessos: 108

Livro de Ana Farache e Paulo Cunha foi lançado no sábado (31) no Cinema do Museu. Obra reúne registros afetivos resultados de dois anos de pesquisa sobre a vida do jornalista e documentarista

Sucesso de público no lançamento do livro “Geneton. Viver de ver o verde mar”, escrito por Ana Farache e Paulo Cunha, e publicado pela Companhia Editora de Pernambuco. O lançamento foi realizado no sábado (31), no Cinema da Fundação/Museu. Antes do lançamento, foi exibido o último longa de Geneton, Cordilheiras no Mar: A Fúria do Fogo Bárbaro (2015), que resgata a figura de Glauber Rocha. O presidente da Fundação Joaquim Nabuco, Antônio Campos, prestigiou o lançamento.

“Estamos felizes com o resultado. O livro é resultado de dois anos de pesquisa e 68 entrevistas com familiares, amigos e colegas de trabalho. É marcada pelo afeto. Fomos amigos muito próximos de Geneton, desde os anos 1970, e nossa relação está naquilo que escrevemos”, comentou Ana Farache, coordenadora do Cinema da Fundação. Com dez capítulos e 224 páginas, a publicação percorre as experiências de Geneton nas redações de jornais impressos e televisões, nos sets de filmagem e em viagens pela América Latina e Europa. A biografia traz ainda dezenas de imagens inéditas, além de textos nunca publicados dos diários de Geneton. O título do livro, “Viver de Ver o Verde Mar”, é um verso de um dos poemas que ele escreveu.

genetonzinho


Nascido no Recife em 1956, Geneton morou também no Rio de Janeiro, em Paris e em Londres, e se destacou como jornalista e cineasta. Como jornalista, foi considerado por muitos colegas como um dos melhores que atuaram no Brasil. Pessoas tão diferentes como Paulo Francis, Joel Silveira e Caetano Veloso o consideraram um profissional muito acima da média. Tendo iniciado a carreira como repórter ainda antes da adolescência, no suplemento infantil Júnior, do Diario de Pernambuco, no início dos anos 1970. Geneton fez parte da equipe da sucursal Nordeste de O Estado de S. Paulo, entre 1975 e 1980; trabalhou na Rede Globo de Televisão a partir de 1985, tendo sido editor do Jornal da Globo e do Jornal Nacional, e posteriormente correspondente da GloboNews e do jornal O Globo na Inglaterra. Foi ainda editor-chefe do programa dominical Fantástico.

Em paralelo ao trabalho jornalístico, Geneton foi responsável por uma importante produção no campo do cinema. A partir de 1973, passou a realizar curtas em Super-8, por influência e incentivo do crítico de cinema Fernando Spencer, do Diario de Pernambuco. Entre 1973 e 1984, realizou 13 curtas em super-8, filmados em Pernambuco e na França.

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página