Fundação Joaquim Nabuco

  • Full Screen
  • Wide Screen
  • Narrow Screen
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

CURSO "RE: VISITANDO A ARTE NA URBANIDADE" DEBATE ESTRATÉGIAS DE AÇÃO E OCUPAÇÃO DA CIDADE

Aos domingos, o curso acontece na galeria MauMau (Foto: maumaugaleria.blogspot)Aos domingos, o curso acontece na galeria MauMau (Foto: maumaugaleria.blogspot)A partir do dia 30 de setembro, a Fundação Joaquim Nabuco promove o curso Re: visitando a arte na urbanidade – estratégias de ação e ocupação da cidade e das instituições. 

Moacir Lago e Irma Brown serão os provocadores dos encontros que culminarão num ato público no dia 25 de outubro.  As inscrições já estão abertas e estão disponíveis 15 (quinze) vagas.

O curso acontece nos domingos e nas quartas-feiras, tendo como base criativa dos encontro a ONG FASE (Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional) nas quartas e na Galeria MauMau aos domingos, situados nos bairros do Derby e Espinheiro respectivamente.

Re: visitando a arte na urbanidade se propõe a ativar a cidade enquanto espaço de criação e participação, permeando entre o artístico e o político. Os participantes também serão convidados a olhar a produção artística do passado próximo para instigar reflexões sobre o panorama da produção artística urbana atual no Recife.

MUSEU DO HOMEM DO NORDESTE PARTICIPA DA 9° PRIMAVERA DE MUSEUS

Programação conta com roda de conversa e oficina educativa (Foto: Gil Vicente/Divulgação)Programação conta com roda de conversa e oficina educativa (Foto: Gil Vicente/Divulgação)Comemorada nacionalmente entre os dias 21 e 27 de setembro, a Primavera de Museus é uma temporada cultural coordenada pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) que acontece todo ano no início da estação homônima, com a finalidade de promover, divulgar e valorizar os museus brasileiros, aumentando o público visitante e intensificando a relação entre museus e a sociedade.

A cada ano, o Ibram lança um tema diferente para nortear as atividades dos museus. Em sua 9ª edição, a Primavera deste ano vem com o tema Museus e Memórias Indígenas. O Museu do Homem do Nordeste (MUHNE), da Fundação Joaquim Nabuco, participa da temporada com uma programação especial.

O destaque vai para o evento Museu Educador, que reúne hoje (23), às 14h, professores, gestores de museus e arte-educadores numa roda de conversas a partir do tema Investigações educativas sobre a temática indígena. 

EM PARCERIA COM O CANNE, SEMINÁRIO "NARRATIVAS DA RUA" ACONTECE NESTA TERÇA

O seminário terá exibição da produção audiovisual do #OcupeEstelita no intervalo do almoço (Foto: Yvana Fechine/Facebook) O seminário terá exibição da produção audiovisual do #OcupeEstelita no intervalo do almoço (Foto: Yvana Fechine/Facebook) Novas formas de mobilização social, audiovisual e processos de resistência, ética e estética na produção audiovisual do Movimento Ocupe Estelita (MOE): essas são algumas das temáticas que serão abordadas no seminário Narrativas da Rua, que acontece amanhã (22) no auditório Evaldo Coutinho, localizado no Centro de Artes e Comunicação (CAC) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

A realização do seminário é uma parceria do Departamento de Comunicação (DCOM) e seu Programa de Pós Graduação em Comunicação (PPGCOM) da UFPE com o Centro Audiovisual Norte e Nordeste (CANNE) da Fundação Joaquim Nabuco, e será uma extensão do Curso de Documentário Urgente, do CANNE, que está sendo realizado com a orientação de Ernesto de Carvalho na UFPE durante esta semana. O cinema de urgência, abordado no curso, também é um dos temas tocados pelo seminário.  

CINEMA DO MUSEU RECEBE SESSÃO ESPECIAL "AFROEDUCAÇÃO NO CINEMA"

Por Lara Ximenes

A consultoria AfroeducAÇÃO, que desenvolve projetos culturais com enfoque educacional na negritude como tema-chave, promove neste sábado (19), às 11h, a sessão especial AfroeducAÇÃO no Cinema em Recife, no Cinema do Museu da Fundação Joaquim Nabuco.

A sessão é gratuita e serão exibidos os filmes Salu e o Cavalo Marinho, de Cecília da Fonte, e Mães do Pina, de Leo Falcão. Após a exibição, os diretores participarão de um debate com o público.

SOBRE OS FILMES

Salu e o Cavalo Marinho, animação de Cecília da Fonte, já participou de mais de trinta festivais no Brasil e no mundo, como o Fici Fest - Festival Internacional de Cinema Infantil e o Circular Festival de Londres. O filme conta a história de Mestre Salustiano, um dos artistas populares mais famosos do Brasil. Filho do rabequeiro João Salustiano, Salu logo cedo sonha em participar de um grupo de Cavalo Marinho, folguedo típico da região onde

 mora.

Mães do Pina, de Leo Falcão, foi recentemente admitido no Festival do Filme Etnográfico de Recife e ganhou o prêmio de Júri Popular do CinePe este ano. O documentário registrou a história de cinco mulheres que atuam como líderes das manifestações culturais e religiosas na comunidade do Bode, localizada no bairro do Pina, na zona sul do Recife.

O Blog da Fundação conversou com os diretores para saber mais sobre suas respectivas obras abaixo.

FUNDAJ ABRE INSCRIÇÕES PARA IX CONCURSO DE VIDEOARTE

A artista Letícia Ramos foi uma das vencedoras da última edição do Concurso de Videoarte da Fundaj (Foto: Luiza Só/Revista Trip)A artista Letícia Ramos foi uma das vencedoras da última edição do Concurso de Videoarte da Fundaj (Foto: Luiza Só/Revista Trip)A Fundação Joaquim Nabuco já divulgou o edital do Concurso de Videoarte 2015, que em sua 9ª edição irá premiar duas propostas que receberão, cada, um prêmio no valor de R$ 25.000,00 (vinte e cinco mil reais) para realização dos projeto de videoarte.

O Concurso, que tem como finalidade incentivar a produção artística com suporte do vídeo, é coordenado pela Diretoria de Memória, Educação, Cultura e Arte (MECA). O edital existe desde 2007 e contribui para o fomento e criação da arte contemporânea no país.

As inscriçãos são gratuitas e os interessados devem realizá-la na Coordenação de Artes Visuais da Fundaj (COART) ou via correios, pelo Sedex, até o dia 27 de outubro de 2015, das 9h às 12h e das 14h às 18h. Também será admitido o envio de inscrições pelos correios, via sedex, com data de postagem até o dia 27 de outubro de 2015.

No ano passado, a última edição do concurso contou com 76 inscritos. Foram selecionadas as propostas dos artistas Silvan Kälin (PE) e Letícia Ramos (SP), que levaram o prêmio no valor de R$25.000 e irão lançar suas produções na Fundação Joaquim Nabuco.
 
O edital, a ficha de inscrição a declaração de compromisso podem ser baixados aqui.

SERVIÇO
 
Coordenação de Artes Visuais
Diretoria de Memória, Educação, Cultura e Arte - MECA
Fundação Joaquim Nabuco
Rua Henrique Dias, 609 - Derby - Recife - PE - 52.010-100
Telefone: (81) 3073.6691

CINEMA DO MUSEU EXIBE SÉRIE DE DOCUMENTÁRIOS "VULNERÁVEIS"

Cena de Caldeirão, episódio de Vulneráveis que conta com direção Carol Vergolino, Getsemane Silva e Nath Gomes (Foto: Reprodução/Facebook)Cena de Caldeirão, episódio de Vulneráveis que conta com direção Carol Vergolino, Getsemane Silva e Nath Gomes (Foto: Reprodução/Facebook)

Por Lara Ximenes

A ideia de progresso para uma significativa parcela da população está atrelada ao consumo e grandes obras de industrialização no Estado.

Mas quais são os impactos que esse tipo de crescimento econômico pode causar na vida das pessoas?  Este é o mote do projeto Vulneráveis - Entre a urgência da vida e a incerteza do futuro, produzido por seis diretores, dois jornalistas, um fotógrafo e duas produtoras, um amplo grupo de profissionais associados ao Ateliê Produções e Alumia Produções e Conteúdo.

A força motriz do projeto é o debate sobre desenvolvimento e vulnerabilidade social. Os estudos feitos para o projeto reconhecem os avanços econômicos e sociais pelos quais o Brasil passou nos últimos anos, mas lança um olhar amplo e intimista sobre a resistência da precariedade da vida nas novas ilhas de desenvolvimento do Nordeste, em especial de Pernambuco.

Os aqui denominados vulneráveis são aqueles que estão entre a urgência da vida, do presente, e a incerteza do amanhã, do futuro, como o próprio nome do projeto denuncia. São grupos sociais cuja subsistência depende do trabalho, na maioria das vezes braçal e intenso, sucateado pelas condições de baixa escolaridade e por estarem à margem ou na escala mais baixa de remuneração do sistema produtivo. Em muitos casos, precisam do apoio direto ou indireto do Estado para complementar sua renda.

VI FESTIVAL DO FILME ETNOGRÁFICO DO RECIFE DIVULGA LISTA DE SELECIONADOS

Fragmentos de uma cronologia inerte, de Lucas Simões, é um dos filmes pernambucanos selecionados pelo VI FIFER (Foto: Mostra do Filme Livre)Fragmentos de uma cronologia inerte, de Lucas Simões, é um dos filmes pernambucanos selecionados pelo VI FIFER (Foto: Mostra do Filme Livre)A curadoria do VI FIFER (Festival Internacional do Filme Etnográfico do Recife) já selecionou os filmes que serão exibidos na edição deste ano do festival, que acontece de 28 de setembro a 2 de outubro no Cinema São Luiz e na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

A lista de selecionados para compor a mostra competitiva do festival conta com 25 filmes de 8 países, entre longas e curtas-metragens, que concorrerão em três categorias: Melhor Filme Etnográfico, Melhor Documentário e Melhor Filme do Júri Popular

Entre os pernambucanos, foram selecionados Retomada, de Leon Sampaio; Ihiato – Narrativas dos anciãos Fulni-ô, de Elvis Ferreira de Sá; Mães do Pina, de Leo Falcão; e Mario Reve Jeguatá, do Coletivo Mbya-Guarani de Cinema. 

Já nas mostras paralelas, 9 títulos pernambucanos foram contemplados entre os 61 filmes selecionados de 15 países, entre eles Babá Paulo Braz - Conexão Ifé, de Gustavo H. Almeida, Suape: Desenvolvimento para quem?,  de Mariana Olívia dos Santos, e Fragmentos de uma cronologia inerte, de Lucas Simões - que também foi realizador de uma das vinhetas selecionadas para exibição no Cinema do Museu.

A lista completa dos títulos pode ser conferida no site oficial do evento.

Última atualização em Seg, 28 de Setembro de 2015 15:24

SE-ECMM AGENDA VISITAS MEDIADAS PARA PROFESSORES À EXPOSIÇÃO "PROFANAÇÕES"

Trecho de Folia (2014), um dos vídeos presentes na exposição de Pablo Lobato (Foto: Reprodução)Trecho de Folia (2014), um dos vídeos presentes na exposição de Pablo Lobato (Foto: Reprodução)O Serviço Educativo do Espaço Cultural Mauro Mota está recebendo agendamentos de professores das redes pública e privada para visitas mediadas à exposição Profanações, do artista Pablo Lobato. A exposição abre dia 12 de setembro e encerra dia 10 de outubro no campus Gilberto Freyre (Casa Forte) da Fundação Joaquim Nabuco.

A atividade é uma realização da Coordenação de Artes Visuais da Fundação Joaquim Nabuco (COART/Fundaj) e integra o circuito de exposições de 2015. Serão recebidos grupos de até 30 pessoas para as visitas nos turnos da manhã ou tarde, de terça a sexta.

Também são disponibilizados ônibus para instituições da rede pública, nas quartas e sexta-feiras. As visitas têm duração média de 1h30 com acompanhamento de mediadores da Fundaj e são seguidas por uma atividade prática, em diálogo com as impressões e questionamentos fomentados a partir das obras.

OS ECOS DE "QUE HORAS ELA VOLTA?"

A piscina da casa é um dos símbolos de segregação presentes no filme (Foto: Divulgação)A piscina da casa é um dos símbolos de segregação presentes no filme (Foto: Divulgação)

Por Lara Ximenes

Na sua segunda semana de exibição no Cinema do Museu, o longa Que Horas ela Volta? (2015, Anna Muylaert) vem cumprindo um papel por ora esquecido no cinema: o de semear debates acerca de questões sociais. Não que todo filme deva fazê-lo, mas fica claro que a arte tem o poder de promover reflexões no âmbito social, e quando bem utilizado nas obras esse poder age de forma transformadora na vida das pessoas, trespassando as barreiras do tempo e tornando-se inesquecível.

Esse poder transformador está em Que Horas Ela Volta? da forma mais sutil possível, através de detalhes que geram pequenos-grandes incômodos que conseguem atingir em cheio estômagos e corações.

O filme conta a história de Val, uma empregada doméstica pernambucana que vai para São Paulo tentar uma vida melhor no bairro nobre do Morumbi e deixa sua filha Jéssica em Recife, aos cuidados de outra pessoa, enquanto cuida de Fabinho, filho dos patrões Bárbara e Carlos, na capital paulista. Quando Jéssica resolve ir para São Paulo prestar vestibular na USP, o mundo dessas pessoas e suas respectivas concepções são radicalmente abalados.

EXPOSIÇÃO SUBVERTE CAMPANHAS POLÍTICAS NO RECIFE

A exposição também conta com material audiovisual produzido de forma coletiva (Foto: Divulgação)A exposição também conta com material audiovisual produzido de forma coletiva (Foto: Divulgação)Hoje (02), às 19h30, o Capibaribe Centro da Imagem (CCI) recebe a abertura da exposição Não-Dito, da fotógrafa Ana Lira. A mostra conta com a curadoria do escritor e curador Pablo Lafuente e participação do projeto coletivo Eleições: Crise de Representação.

O que não é dito nas campanhas políticas? A exposição vai exibir a continuidade da pesquisa que a fotógrafa vem desenvolvendo ao longo dos últimos três anos acerca do conceito de crise de representação no cenário político brasileiro, apresentando o contexto que norteou a construção do projeto Voto, que por meio dos restos de cartazes de propaganda política debate as entrelinhas da decadência do modelo de representação adotado no país.

Não-Dito debate as relações existentes entre as ruínas do sistema e o cenário de desconexão vivido pela população por meio da pesquisa-processo e dos diálogos que Ana vem articulando com diversos grupos, movimentos e artistas dentro e fora de Pernambuco.

Frases deixadas nas ruas, cartas abertas, panfletos, recados, placas, santinhos, entre outros impressos e suportes que marcam as paredes e o cotidiano de negociação política existentes na cidade estarão na exposição em debate com as imagens produzidas pelo projeto Voto, onde todo o lixo eleitoral é transformado em arte crítica.

Página 7 de 43

Navegando em: Comunicação Blog da Fundação