Fundação Joaquim Nabuco

  • Full Screen
  • Wide Screen
  • Narrow Screen
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Ilustrações ganham vida e galhos viram arte no Mestres dos Saberes

02.03.2018




A gente tem que concordar que desenhar, por si só, já é uma atividade super prazerosa. Agora imagina ter a oportunidade de ver seus riscos em movimento. Foi assim que os alunos da Escola Municipal Professor Nilo Pereira passaram as tardes, entre os dias 27 de fevereiro e dois de março, na oficina de cinema de animação do projeto Mestres dos Saberes, na sala do educativo do Museu do Homem do Nordeste, na Fundaj Casa Forte. As oficinas, uma parceria entre a Fundação Joaquim Nabuco e o Ministério da Educação, acontecerão até maio de 2018.

O passo a passo é simples. Primeiro, corta-se uma tira de papel, depois adiciona desenhos intercalados lado a lado e, por fim, coloca a tira dentro de uma máquina giratória chamada zoetrope, criando a ilusão de que as imagens estão se mexendo.  Durante o processo criativo, via-se nas mesas de desenho unicórnios correndo, peixes pulando para fora do aquário e até uma nave espacial pousando em solo terrestre.

O estudante Thiago Lopes, de 11 anos, sabe de cor cada etapa do processo e fez de uma simples cartola, dentro do zoetrope, sair um coelho. “Me sinto bem, aprendendo cada vez mais”, afirma ele. O aluno Kayky Emanuel, de 13 anos, pontua a diferença entre uma aula rotineira de artes para a oficina de animação e afirma se sentir bem vendo seu desenho mexendo. Igualmente satisfeita, Alice Victória, 10, adora desenhar e tirou grande proveito da nova experiência: “é como se nosso desenho criasse vida.” Mesmo tendo pouco contato com animação, segundo o quadrinista e instrutor da oficina, Jonatas Tavares, os estudantes não demoraram a pegar o jeito da arte. “É a primeira vez que estão vendo a ideia do movimento, da animação tradicional em 2D. Estão indo muito bem”, pontua ele.

O que parece ser só brincadeira pode se tornar uma importante parte do desenvolvimento da criança e do adolescente. O produtor cultural e instrutor do projeto, Rafael Buda, chama atenção para uma futura utilidade dos ensinamentos da oficina. “É possível eles enxergarem que a sequência de desenhos é algo que pode se tornar animado e, consequentemente, isso tem um desdobramento tanto para a área de publicidade quanto para a área de games e de animação”, afirma.

Arte no Galho

Na primeira semana do projeto "Mestres do Saberes", crianças aprenderam também, com Mestre Abias de Igarassu a premiada "Arte no Galho", como ele próprio nomeia seu trabalho. Artista desde a infância e escultor de madeira desde 2006, o Mestre ensinou alunos da Escola Municipal Professor Nilo Pereira e outros inscritos a transformar madeira seca em arte. No decorrer de quatro dias a sala do Museu do Homem do Nordeste utilizada para oficinas ficou rodeada por esculturas de girafas, bailarinas, canoas, garças e tantas outras criações. Todas feitas pelas mãos dos aprendizes, criativos o suficiente para, apenas com o passar dos olhos, conseguir enxergar formas e figuras nos pedaços de madeira.

Fernando Santos, 16 anos, é estudante da oitava série e, em poucas palavras, consegue explicar a importância das oficinas. “Antes não tínhamos essa oportunidade, que é muito enriquecedora para nossa vida e desenvolvimento. Porque abre a mente do aluno para um mundo diferente daquele só na sala de aula, escrevendo no quadro.”

Mas, durante a oficina de madeira, as crianças não foram as únicas a vivenciar uma experiência nova. Mestre Abias revelou nunca ter ensinado suas técnicas as crianças, e ficou tão empolgado com a novidade que pretende ensinar novamente. “É uma experiência nova. Elas são muito criativas e cada uma tem sua diversidade, seu jeito de ser”, relatou.



Dentre as inúmeras relevâncias desse tipo de atividade externa, como maior acesso à cultura e arte popular, Mestre Abias de Igarassu destacou algo inédito: a criação de uma consciência ambiental e ecológica. “Quem trabalha com arte não pode simplesmente cortar uma árvore, tem que saber podar os galhos e aproveitar os troncos secos. Por isso, antes de começar a criar esculturas, as crianças precisam aprender a cuidar e valorizar a natureza.” Por conta da grande procura, as oficinas estão com inscrições encerradas.

Confira todas as atividades abaixo no cronograma do Projeto Mestres dos Saberes:

MARÇO
06 a 09 – Cida Lima (Barro) – Manhã
06 a 09 – Neguinha (Barro) – Tarde

13 a 16 – Bacaro Borges (Xilogravura) – Manhã
13 a 16 – Marcos Siqueira (Madeira) - Tarde

20 a 23 – Roberto Vital (Madeira de Coqueiro) – Manhã
20 a 23 – Ademilson Rodrigues (Barro) – Tarde

ABRIL
03 a 06 – Mestre Nuca (Barro) - Manhã
03 a 06 - Luiz Benício (Madeira) – Tarde

10 a 13 – Cajazinho (Marchetaria) – Manhã
10 a 13 – Mestre Marcos – (Madeira) – Tarde

17 a 20 – Mestre Mazinho - (Madeira) – Manhã
17 a 20 – Mestre Lourenço - (Cana Brava) -Tarde

24 a 27 – Nena - (Barro) – Manhã
24 a 27 – Mestre Josa - (Madeira) Tarde

MAIO
08 a 11 – Mestre Nado – (Barro) – Manhã
08 a 11 – Mestre Lula – (Máscaras de Papangu)

Navegando em: :: Outras Notícias Ilustrações ganham vida e galhos viram arte no Mestres dos Saberes