Fundação Joaquim Nabuco

  • Full Screen
  • Wide Screen
  • Narrow Screen
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

200 anos da Revolução Pernambucana de 1817

No dia 9 de março, às 17 horas, na sala Calouste Gulbenkian, na Fundaj/Casa Forte, as fundações Joaquim Nabuco e Astrojildo Pereira e o Centro Josué de Castro promoveram a mesa redonda “1817 A Contestação da Ordem Monárquica”, em comemoração aos 200 anos da Revolução Pernambucana de 1817. O evento foi aberto com palavras do presidente da Fundação, Luiz Otávio de Melo Cavalcanti e do senador Cristovam Buarque, do PPS, partido ao qual a Fundação Astrojildo Pereira é ligada.  

Os palestrantes foram a historiadora e professora da UFPE, Socorro Ferraz, que abordou o tema “Os Contos Loucos e as Fantásticas Carrancas”, o professor Flávio Cabral, que discorreu sobre “A Missão Cabugá nos EUA: uma Página da Revolução Pernambucana”  e o arquiteto e professor da UFPE, José Luiz Mota Menezes, que enfocou o assunto: “Um Campo do Erário Régio, Dois Pátios e uma Revolução Republicana”. 

Veja Aqui a fala de abertura do evento, feita pelo presidente da Fundaj, Luiz Otávio de Melo Cavalcanti. 

História

No dia 6 de março, Pernambuco comemora 200 anos da deflagração da Revolução Pernambucana, uma revolta influenciada pelas ideias iluministas da França e da América contra o Governo Português, naquele momento instalado no Rio de Janeiro.

Embora a capitania de Pernambuco fosse, naquele início do século XIX, umas das mais prósperas economias do Brasil, centro produtor e exportador de açúcar e algodão, a capital do reino de Portugal foi transferida para o Rio de Janeiro, por ocasião das guerras napoleônicas.

Para financiar os elevados gastos da Coroa Portuguesa, o monarca passou a cobrar pesados impostos que atingiam, principalmente, a economia de Pernambuco. A natural insatisfação com o Governo Português, ampliada com a cobrança de novos impostos, alimentou e fortaleceu o ambiente intelectual, político e econômico que germinava no Recife e em Olinda, propício à descolonização.

A revolução foi liderada por destacados membros da maçonaria, como o comerciante Domingos José Martins, por militares, como José de Barros Lima, conhecido como o Leão Coroado, Pedro da Silva Pedroso e vários religiosos, Muniz Tavares, João Ribeiro, Padre Roma e Padre Miguelinho.

O governo provisório instalado declarou independência de Portugal e proclamou a república; decretou liberdade religiosa e de imprensa, mas não alterou as relações de trabalho escrevo dominantes na produção canavieira.

A República de Pernambuco resistiu por mais de dois meses à ofensiva de D.João VI que enviou cerca de 8 mil homens e uma frota naval para bloquear o porto do Recife, conseguindo esmagar o movimento republicano no dia 19 de maio.

O historiador Carlos Guilherme Mota considera a Revolução Pernambucana de 1817 como o maior movimento de contestação à ordem monárquica até então ocorrido no mundo afro-luso-brasileiro, abrangendo todo o Nordeste brasileiro.

Navegando em: :: Outras Notícias 200 anos da Revolução Pernambucana de 1817