Fundação Joaquim Nabuco

  • Full Screen
  • Wide Screen
  • Narrow Screen
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Histórico - CANNE

Ações de formação

Desde sua implantação, em 2008, o Canne realizou 203 cursos gratuitos de curta duração nas regiões Norte e Nordeste capacitando 4.150 estudantes e profissionais do audiovisual. Todos os cursos são gratuitos, dirigidos a profissionais, professores e estudantes de comunicação, artes e audiovisual, e ministrados por especialistas nas diversas áreas da realização audiovisual. Os participantes são escolhidos através de seleção pública.

Hoje, o Canne é visto nacionalmente como um importante centro de formação com foco na capacitação profissional e tecnológica em audiovisual e veio suprir uma carência histórica, descentralizando a formação de mão de obra qualificada em audiovisual nos estados do Nordeste e do Norte.

Clique aqui para visualizar todos os cursos já realizados pelo Canne.

No seu primeiro ano de atuação, em 2008, o Canne ofereceu cursos de aperfeiçoamento para 22 turmas, em parceria com sete Estados do Nordeste – Alagoas, Sergipe, Ceará, Paraíba, Rio Grande do Norte, Pernambuco e Bahia –, somando 429 capacitações.  É importante frisar que os cursos realizados no primeiro semestre de 2008 em Recife tiveram o apoio da Fundarpe e que esses primeiros cursos intitulados pilotos foram basilares para a descentralização da programação dos mesmos em outros estados.

Em 2009, com o objetivo de promover uma descentralização ainda mais ampla de suas ações, o Canne aumentou sua oferta de turmas para 25, distribuídas tanto no Nordeste, como na Região Norte. Estados como Pará e Acre, além do Arquipélago de Fernando de Noronha, receberam alguns dos cursos oferecidos pelo Centro. Neste ano, foram acrescentados à grade de oferta do Canne os cursos de Direção de Fotografia e Cinematografia Subaquática, sendo este o primeiro curso de captação de imagens submarinas oferecido no Norte-Nordeste. Ao todo foram 23 cursos, com 527 capacitados em 9 estados do norte e nordeste.

Em 2010 o Canne realizou 27 cursos em parceria com 14 estados das regiões Norte e Nordeste, promovendo a formação de 603 profissionais. A partir desse ano o Canne passou a ofertar cursos também na área de criação, como Direção de Arte, Roteiro e Direção Cinematográfica.

Em 2011, ano de mudanças na gestão da Fundação Joaquim Nabuco e ajustes de diretrizes, além de termos passado por mudanças na forma de contratação de professores e emissão de passagens e diárias, dos 30 cursos planejados, foram executados 19 e empenhados para 2012 seis cursos. Ao final do ano chegamos ao número de 402 pessoas capacitadas. Este foi o ano em que foi iniciada uma parceria com o Ministério de Relações Exteriores, que ofereceu ao Canne a possibilidade de trazer profissionais de fora do país para ministrar cursos de roteiro, trazendo a roteirista mexicana Maria Escandon para iniciar esta parceria com o Canne.

Em 2012, o Canne realizou 24 cursos, atendendo dois estados do Norte e todos os estados do Nordeste, fechando o ano com 490 capacitações. Um desses cursos foi ministrado por Sergei Loznitsa, prestigiado roteirista e diretor de cinema Russo, trazido para Recife em parceria com o Ministério de Relações exteriores. Foi também em 2012 que a Fundação Joaquim Nabuco passou a publicar editais de cada curso realizado pelo Canne com o objetivo de dar ainda mais transparência aos processos de divulgação e seleção dos cursos.

Em 2013, foram realizados 17 cursos em doze estados e outros três cursos foram adiados para o ano seguinte por conta de problemas com agenda profissional de dois professores. Pela primeira vez foi oferecido o curso de Produção Executiva, um curso que foi muito solicitado pelo segmento audiovisual organizado.

De 2008 a 2013 o Canne se consolidou como um projeto possível e exitoso na área da política pública para a Cultura, focando na descentralização das ações voltadas para formação gratuita em audiovisual e no apoio à produção audiovisual independente das regiões Nordeste e Norte através de empréstimos de equipamentos. Isto tudo em consonância com as políticas de correção das desigualdades regionais. Destaca-se neste período de cinco anos as escutas realizadas com seu público alvo e parceiros institucionais, tanto objetivando cumprir com a programação de cursos anuais, de acordo com a demanda real e exigida para cada estado, quanto para definição de regras de uso dos equipamentos, isso também através da atuação fundamental de seu conselho consultivo, muito atuante neste período. Foi inclusive nesta meia década que foi desenvolvida uma gestão para os processos administrativos de forma eficiente e equilibrada, sempre de acordo com o que é regido juridicamente e com o que outras instituições similares fazem uso, contribuindo com a junção dessas experiências no intuito de possibilitar a contratação de um quadro de ministrantes de alto nível, que conciliam experiência profissional e didática. Esses procedimentos permitiram a realização de cursos inéditos e de capacidade multiplicadora, fomentando a formação de rede em locais que conviviam com uma realidade de exclusão e falta de oportunidades na área.

O ano de 2014 ficou marcado como o ano com a maior carga horária oferecida pelo Canne e maior número de estados atingidos. Foram 34 cursos (dos quais 02 tinham sido empenhados em 2013) em todos os 16 estados do Norte-Nordeste do Brasil. Este ano também houve uma demanda do setor para qualificação de projetos audiovisuais com foco em editais específicos do Fundo Setorial do Audiovisual de produção de conteúdos destinados às TVs públicas do país. Em reunião do conselho consultivo do Canne, os conselheiros indicaram a realização das oficinas específicas para formatação e qualificação de projetos para os editais a serem lançados ainda em 2014. Esta ação foi efetivada através de um Termo de Execução Descentralizada (TED), no qual a Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura efetuou repasse dos recursos financeiros para o Canne/Fundaj para execução de todo o projeto na ordem de R$ 330.000,00. Desta maneira, a SAv, o Canne e as Unidades Técnicas da Linha de Conteúdos Destinados às TVs Públicas do FSA atuaram em conjunto na concepção, planejamento e realização das oficinas de Qualificação de Projetos Audiovisuais.

As oficinas começaram a ser realizadas ainda no mês de novembro de 2014, se estendendo até fevereiro de 2015, totalizando 43 cursos. Em função do cronograma dos cursos estar atrelado ao cronograma dos editais do FSA, houve a necessidade de uso de recursos adicionais da Fundaj para os 37 cursos realizados entre janeiro e fevereiro de 2015, na ordem de R$ 66.265,80 para compra de passagens e pagamento de diárias dos professores. Ao todo foram 11 cursos na região Norte, 23 no Nordeste, três no Centro-oeste, três no Sudeste e três no Sul.

Foi também no ano de 2014 que o Canne realizou as primeiras oficinas destinadas às comunidades indígenas e quilombolas. O curso de Realização Audiovisual aconteceu nas aldeias Lago Grande e Flores, na reserva indígena do Vale do Javari-AM, e na comunidade quilombola de Conceição das Crioulas, no município de Salgueiro-PE.

Este conjunto de realizações comprova o quanto o Canne vem contribuindo para o desenvolvimento da produção independente e da formação do profissional do audiovisual no Norte-Nordeste.

Abaixo, uma lista dos cursos oferecidos até 2015:

  • Assistente de Câmera 35mm
  • Cinematografia Eletrônica Digital
  • Cinematografia Eletrônica Avançada
  • Chefe de Elétrica - Lighting Gaffer
  • Desenho de Som - captação
  • Desenho de Som - finalização
  • Desenho de Som - Do Roteiro à Finalização
  • Cenografia para Cinema
  • Montagem
  • Qualificação de Projetos Audiovisuais
  • Direção de Fotografia
  • Cinematografia Subaquática
  • Direção de Arte
  • Direção de Atores e Interpretação Cinematográfica
  • Direção Cinematográfica
  • Roteiro
  • Assistência e Operação de Câmera HD
  • Pós Produção em Cinema Digital
  • Produção Executiva
  • Assistência de Direção
  • Realização Audiovisual
  • Figurino
  • Projecionista

Incentivo à produção independente

Em 2008, foi publicado o primeiro edital para seleção pública de projetos para uso dos equipamentos do Canne. Como resultado deste edital, o Canne recebeu três inscrições de interessados. A partir desta experiência e de solicitações de produtores independentes, o Conselho Consultivo do Canne indicou que fosse adotado o sistema de seleção contínua de projetos, onde as propostas seriam analisadas por uma comissão interna de servidores da Fundaj e, estando de acordo as diretrizes publicadas, receberiam o apoio. Com isso, formar-se-ia uma agenda em que a ordem de preferência seria a ordem cronológica do recebimento dos projetos. A partir desse procedimento, o Canne passou a apoiar um número muito maior de projetos, democratizando o acesso aos equipamentos.

Além da cessão por comodato da câmera AATON 35-III, a Fundação Joaquim Nabuco adquiriu uma câmera digital, a Sony HDV Z1, voltada para os cursos e produções que priorizavam o formato, este equipamento foi substituído pela câmera Panasonic AG-HPX300 em 2010.

O Canne também dispõe de uma ilha de edição com Final Cut Studio 5. Como hoje este equipamento não atende mais a demanda dos produtores de cinema por conta da desatualização técnica, esta plataforma é utilizada para formação de estudantes e professores de escolas e instituições de ensino. Para atender à demanda de produtores independentes, seria necessária a aquisição um novo maquinário com softwares em suas versões atualizados.

Desde a sua criação, o Canne apoiou 41 produções com empréstimo de equipamentos.

Pesquisa e produção de conhecimento

O Seminário Narrativas Audiovisuais Contemporâneas aborda os processos de criação audiovisual, a dinâmica das cadeias produtivas do audiovisual e a relação entre produção audiovisual e sociedade. O formato é simples. Realizadores e pesquisadores são convidados para apresentar seus trabalhos mais recentes ou emblemáticos, seguindo-se de conversas aprofundadas sobre aspectos criativos, técnicos e sociais. Cada ciclo tem um tema eleito como foco. Os encontros são documentados em vídeo e as gravações disponibilizadas online para que sirvam de material de referência em sala de aula, bibliotecas e demais espaços de práticas voltadas para o aprendizado e reflexão.

O primeiro ciclo que ocorreu em 2014 teve quatro encontros com roteiristas discutindo seus processos criativos. Sob a curadoria e mediação do realizador Pedro Severien e do jornalista e crítico André Dib passaram pelo Cinema da Fundação Karim Aïnouz (com a exibição de PRAIA DO FUTURO), Hilton Lacerda (TATUAGEM, AMARELO MANGA), Rodrigo de Oliveira (AS HORAS VULGARES, EXILADOS DO VULCÃO) e Rodrigo John (ATÉ QUE A SBÓRNIA NOS SEPARE e uma seleção de curtas).

O segundo ciclo, previsto para 2015, tem foco no tema Audiovisual e Resistência. O primeiro encontro deste ciclo teve a participação de Pedro Severien (Canne), Cynthia Falcão (MMP), Alexandre Figueroa (Unicap), Cristina Teixeira (UFPE) e dos realizadores Marcelo Pedroso, Ernesto de Carvalho e Felipe Peres Calheiros.

Com esta ação, o Canne estabelece um diálogo entre estudantes, profissionais, técnicos e artistas do segmento audiovisual com importantes autores do cinema brasileiro contemporâneo. E além de promover a formação técnica e conceitual necessária para o desenvolvimento da atividade audiovisual, aponta para a produção de conhecimento, iniciando um acervo inédito para consulta e pesquisa.

Navegando em: CANNE